Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Sobrevivência em jogo no clássico

O ano começa para Palmeiras e Corinthians neste domingo, às 16 horas, no Morumbi. O clássico de maior rivalidade no Estado, pelo Campeonato Paulista, é a melhor oportunidade que os dois clubes têm de ressurgir depois de um período de derrotas, crises e muitas decepções. Das últimas 20 partidas que disputou desde setembro do ano passado, o Corinthians venceu apenas uma, contra o combalido Flamengo de Zagallo, pelo Rio-São Paulo. No total, foram 15 derrotas e quatro empates em quatro meses e meio, uma seqüência inédita de fracassos em 90 anos de história do clube. O Palmeiras está à deriva desde que perdeu o título da Copa Mercosul para o Vasco, no Parque Antártica, em dezembro. A derrota por 4 a 3, depois de terminar o primeiro tempo vencendo por 3 a 0, ainda representa um trauma para os jogadores. Na atual temporada, o Palmeiras disputou sete partidas e venceu apenas duas. O emprego do técnico Marco Aurélio Moreira está por um fio, menos pelas derrotas e mais pelas dúvidas sobre sua competência para levar o time aos títulos da Taça Libertadores e do Mundial de Clubes. Entre os diretores, é impossível esconder que só a vitória garantirá sua permanência no cargo. ?Esse é um jogo importante que não queremos perder?, disse Américo Faria, diretor de Futebol. Marco Aurélio disse ontem que ?o que sai na imprensa nem sempre é o que pensa a diretoria do Palmeiras?. Mas afirmou, resignado: ?Faço meu trabalho honestamente e vou para casa tranqüilo todo dia.? No Corinthians também se aposta na redenção. Para se ter idéia do retrospecto vexatório, em 37 jogos disputados desde 30 de julho, após a saída de Oswaldo de Oliveira, a equipe ganhou 5, empatou 9 e sofreu 23 derrotas. Um recorde negativo na história do clube. Daquela data até terça-feira foram mais três técnicos: Oswaldo Alvarez, Candinho e Dario Pereyra. Wanderley Luxemburgo, o quarto treinador contratado desde o segundo semestre de 2000, evita comentar esse quadro sombrio. ?Não posso falar do passado negativo para meus atletas. Estou chegando agora, nada sei de crise no Corinthians, muito menos no Palmeiras?, disse o treinador, que aposta em um grande espetáculo. ?Temos de pensar positivamente, com auto-estima.? A novidade na equipe é Otacílio, que entra no lugar de Gallo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.