Sócrates estréia musical em São Paulo

Sócrates continua atrás de novas sensações. A mais recente delas é o teatro. Na próxima sexta-feira, dia 22, estréia no Teatro Gazeta, em São Paulo, o musical "O Futebol - O Jogo da Bola igual ao Jogo da Vida", um projeto do doutor Sócrates em parceria com o diretor Kleber Mazziero. Depois de técnico, dirigente e cantor, um dos símbolos da Democracia Corintiana não desiste de se arriscar."Eu e o Sócrates sempre fomos muito amigos. Tanto que ele escreveu em dois livros meus: Prezado Amigo Afonsinho (biografia do ex-jogador do Botafogo) e Divino - a Vida e a Arte de Ademir da Guia (biografia do ex-jogador do Palmeiras", conta Mazziero. "É muito bacana trabalhar com o Sócrates. Ele sabe dividir as idéias no processo criativo." Sócrates nunca se preocupou em ficar com a fama de fracassado nas diversas atividades que abraçou depois de encerrar a carreira como jogador. Tanto que tentou a vida como técnico, depois como dirigente, pensou em ser candidato à CBF, se arriscou como cantor, apoiou Lula durante as Diretas Já e nunca se mostrou satisfeito.A justificativa para tudo isso ele deu durante uma entrevista exclusiva ao JT, em fevereiro passado, às vésperas de completar 50 anos. "Isso é coisa de aquariano. Aquariano é meio doido. Quero ter experiência de todos os lados. Nunca fui alguém de um único projeto, de forma rotineira. Estou sendo criando coisas", argumentou Sócrates.E na companhia de Kleber Mazziero, Sócrates teve de criar bastante. O musical tem 11 músicas compostas por ele. "Eu escrevia a letra, ele criava a música e mandava de volta para mim. Eu fazia algumas modificações, perguntava a opinião dele e assim fomos ?mandando lenha? no projeto", explica Mazziero.Boleiros prestigiarão - A idéia do musical surgiu em 2002, mas o processo de criação começou apenas em julho deste ano. "Ele ficou louco para bolar uma idéia. Mas o tema tinha de ser relacionado ao futebol."Dois meses foram suficientes para Kleber Mazziero comandar os ensaios do grupo de 11 atores-cantores, com quem trabalha há alguns anos. E tudo foi acompanhado bem de perto por Sócrates. "Ele veio para São Paulo para acompanhar os ensaios, conheceu os atores e deu algumas dicas interessantes."A primeira sessão do musical de Sócrates será apenas para convidados e imprensa. Uma grande festa prevista para ter início às 20 horas, com um coquetel para dois mil convidados e, em seguida, o musical."Muita gente já confirmou presença: o Juca Kfouri (amigo de Sócrates), o Raí, o Edu - que jogou no Santos -, o Casagrande... O Afonsinho vem do Rio para prestigiar o evento. O Paulo César Caju também deve comparecer. Não vai faltar gente importante", empolga-se o diretor do musical.A peça deve ficar em cartaz até dia 21 de novembro. Depois, segue para o interior de São Paulo: Campinas, Bauru, Ribeirão Preto e Jaú. "Depois pretendemos levar o musical para outros Estados. Mas antes disso faremos outra minitemporada aqui em São Paulo novamente."O maior problema encontrado para a realização do musical, no entanto, é a falta de incentivo. "Por enquanto, temos apenas um patrocinador e três apoiadores. O custo inicial era muito alto e não conseguimos captar todo o recurso necessário. Mas o apoio dessas empresas ajudou a baratear a produção."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.