Felipe Trueba/EFE
Felipe Trueba/EFE

Soldado, o intruso que deu certo na Espanha

Atacante do Valencia foi o único titular contra o Uruguai que não atua no Real Madrid ou no Barcelona, mas virou destaque

Raphael Ramos - Enviado Especial, O Estado de S. Paulo

18 de junho de 2013 | 08h04

RECIFE - A Espanha não é só Barcelona e Real Madrid. Dos 11 jogadores que começaram a partida contra o Uruguai domingo, na abertura do Grupo B da Copa das Confederações, dez atuam nos dois clubes mais poderosos do país. O único "intruso" era Soldado, atleta do Valencia. E o atacante acabou fazendo a diferença.

 

Os espanhóis mostraram na Arena Pernambuco uma variação de jogadas que impressionou e desnorteou os uruguaios, principalmente no primeiro tempo, quando marcaram dois gols em 32 minutos. Um dos responsáveis por aumentar as alternativas ofensivas da equipe foi Soldado.

 

Com ele em campo, o técnico Vicente Del Bosque optou por ter desde o início do jogo um típico centroavante, que joga enfiado entre os zagueiros, algo que não costuma ser tão frequente na seleção. Mas a opção por um jogador com essas características tornou o jogo da Espanha mais vertical.

 

Soldado, que ficou no banco nos amistosos preparatórios para a Copa das Confederações que a Espanha realizou nos Estados Unidos contra Haiti e Irlanda, soube aproveitar bem a chance diante do Uruguai não só pelo gol que marcou, mas porque se movimentou bastante, atraiu a marcação e deu opção de passe para os companheiros. Não à toa ganhou muitos elogios de Del Bosque e, por isso, deve continuar entre os titulares na quinta-feira contra o Taiti, no Maracanã.

 

O atacante se entendeu muito bem com Fàbregas, que jogou um pouco mais avançado, próximo da área. O lance do segundo gol espanhol ilustrou bem a sintonia entre os dois. O jogador do Barcelona encontrou o companheiro nas costas da defesa e deu um passe açucarado para que Soldado só tivesse o trabalho de tirar do goleiro e estufar a rede.

 

Soldado também tem se mostrado um talismã para a Espanha. No domingo, ele chegou à marca de dez vitórias em dez partidas pela seleção.

 

Individualmente, seus números também são expressivos, com seis gols marcados. Nada mal para quem parecia ser até dias atrás apenas a terceira opção de ataque, atrás dos badalados Fernando Torres e David Villa.

 

É possível, no entanto, que quinta-feira, diante do Taiti, o atacante não jogue ao lado de companheiros renomados como Xavi, Iniesta e Fàbregas. A Espanha deve jogar com um time cheio de reservas. Contra um rival fraquíssimo, a intenção de Del Bosque é dar rodagem a alguns atletas e poupar figurões para o jogo contra a Nigéria, domingo, em Fortaleza, já que o time acusou o cansaço nos minutos finais da partida contra o Uruguai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.