Sombra do rebaixamento assusta Corinthians

Dá para imaginar o Corinthians com medo do rebaixamento já na 18ª rodada do Campeonato Brasileiro? A derrota para o Coritiba, por 1 a 0, neste domingo à tarde, em pleno Morumbi, mostra que sim. Pelo menos já fez o time entrar em estado de alerta. Os jogadores saíram de campo assustados com o que pode acontecer no futuro. Já tem gente com medo até de enfrentar o lanterna da competição. Quarta-feira o Corinthians joga com o Goiás, no Serra Dourada. Uma nova derrota vai deixar a equipe de Geninho numa situação dramática, a caminho das últimas posições. ?O Geninho vai ter que acertar a equipe o mais depressa possível. Na quarta-feira teremos mais um jogo difícil. Não podemos nem pensar em voltar sem os três pontos. Se não, vai complicar", alertava o zagueiro Ânderson. Na entrevista coletiva de praxe, após o jogo, a palavra mais ouvida era rebaixamento. Os jornalistas fazendo perguntas sobre essa questão; os jogadores e seu treinador se esforçando para convencer a platéia de que um time grande como o Corinthians não pode jamais abandonar o seu maior objetivo: lutar pelo título. ?Não admito falar em rebaixamento. Ainda é muito cedo para abdicar do título. O Corinthians vai ter muito tempo para se acertar. Nossa filosofia (investir em revelações) pode ter mudado; nosso objetivo não.O Corinthians tem sempre que lutar pelo título. Pode até não ganhar, mas esse continua sendo o objetivo.? No fundo, porém, Geninho sabe que o futuro do Corinthians não será nada fácil. Se antes de perder Liedson e Fábio Luciano o time já vinha fazendo uma campanha sofrível, agora a tendência é piorar. Há gente que pergunta. Piorar, como, se nos últimos sete jogos o time venceu só um e perdeu quatro. Piorar como, se ao longo dos 18 jogos disputados no Campeonato Brasileiro o Corinthians só venceu um fora de casa, contra o Fortaleza, por 1 a 0? Geninho tem plena consciência de que dias piores estão por vir. Neste domingo mesmo, ainda no Morumbi, ele já começou a usar alguns argumentos que comprovam a desesperança. Pediu paciência à torcida, compreensão à imprensa, e arriscou até falar em reforços, mesmo sabendo que a diretoria não vai lhe dar. ?Algumas peças terão de ser repostas. Sei que não há caixa, mas se tiver de contratar, tem de ser dois ou três jogadores que venham, vistam a camisa e resolvam o problema. Preciso de jogadores que saibam enfrentar pressão. Caso contrário, prefiro continuar com as revelações.? Outra certeza do técnico: o clima deve ?ferver? se o time continuar perdendo. A esperança de Geninho é que a torcida entenda os problemas estruturais do clube. Investir na base pode ser uma boa política de renovação, mas também muito arriscada. ?É um caminho que precisa de retaguarda. Hoje mesmo ouvi torcedor apupando os garotos. Até se firmarem, esses meninos vão precisar de retaguarda e paciência. Os resultados são a médio e a longo prazos.? A preocupação deve aumentar no decorrer desta semana. Terça-feira, o goleiro Doni e o central César (além de Fábio Luciano, que já saiu) serão julgados pela confusão armada no clássico contra o Santos. De acordo com a previsão inicial, a pena pode chegar a três meses de suspensão. Geninho não quer nem pensar nessa hipótese. Vai acabar sobrando para ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.