Sonny Anderson: unanimidade francesa

Apenas dois brasileiros, Raí e agora Sonny Anderson ocuparam nesses últimos anos espaço na primeira página do circunspecto vespertino francês "Le Monde" , normalmente discreto no tratamento dispensado às grandes personalidades do universo do futebol. Na sua edição que circula com data de hoje, o brasileiro Anderson está sendo apontado como o principal responsável pela conquista da Copa da Liga pelo Olympic de Lyon, sábado último no Stade de France e após 28 anos sem conquistar qualquer título na França.O gol marcado por Muller, no último minuto da prorrogação, só foi obtido graças a uma magistral manobra, em que o jogador brasileiro revelou todo seu talento, inteligência e sangue frio. O atacante venceu uma série de adversários e, num último grande esforço físico após 120 minutos de partida, ainda teve lucidez suficiente para procurar o companheiro melhor colocado que empurrou a bola para o fundo da rede.Na França, Anderson tem sido o artilheiro mais regular nos clubes por onde passou, em Marselha, Mônaco e agora em Lyon, depois de uma passagem apenas regular pelo Barcelona, onde teve problemas com o ?lobby holandês? do Barça. Já em 1998 , durante os preparativos para a Copa do Mundo, o jogador brasileiro foi esnobado pelo técnico Zagallo que preferiu apostar em Edmundo para fazer dupla com Ronaldinho. Agora, a história está se repetindo com Leão, surdo e cego para as conquistas desse jogador que está beirando os 30 anos de idade.Na mesma semana, um outro brasileiro, Elber igualmente esquecido pelo técnico da seleção, foi o responsável pela vitória do Bayern de Munique sobre o Real Madri na capital espanhola, um passo imenso em direção da final da Copa dos Campeões.Hoje, Anderson é o capitão e líder dessa equipe que conta também com dois outros brasileiros, os zagueiros Edmilson e Caçapa, esse último autor do primeiro gol contra o Mônaco, do italiano Marco Simone. Seu prestígio em Lyon, é imenso. Ele foi ovacionado durante o desfile em carro aberto pelas ruas da cidade, cuja população em delírio recebeu os heróis do futebol. Sua popularidade se compara a de Raí, há alguns anos atrás, quando o antigo atacante do Paris Saint Germain também conquistou o mesmo troféu comandando a equipe parisiense.Anderson e Raí são apontados como exemplos de jogadores exportáveis pelo seu comportamento ultra-profissional no exterior, ao contrário de outros que incentivados por empresários e dirigentes inescrupulosos, aceitaram participar da fraude dos passaportes falsos. Toda a imprensa francesa, destaca hoje, a importância de um jogador como Anderson numa equipe com pretensões, não apenas pela sua condição de artilheiro emérito, mas também como ponto de equilíbrio para o grupo, como afirma o matutino Le Figaro: "Uma mistura de elegância, de potência, de lucidez e eficácia, aliado a um número de equilibrista". Sonny é hoje o grande ídolo de Lyon, adorado pelas crianças e pelos grandes, saudado pela população da terceira cidade francesa, centro industrial e gastronômico do país, afirma o L? Equipe.Capaz de gestos técnicos de grande beleza, de tiros indefensáveis, ele demonstrou seu altruísmo ao procurar seu companheiro melhor colocado para garantir a vitória que lhe permitiu dançar com seus companheiros Edmilson e Caçapa no Stade de France, o mesmo estádio em que numa noite de verão de 1998 os brasileiros só enxergaram fantasmas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.