Sorocaba é misto de indignação e revolta

Lanterna do Campeonato Paulista, com apenas três pontos e cotadíssimo para ser rebaixado à Série A-2, o Atlético Sorocaba tenta superar a má fase e, agora, também abre os olhos com as arbitragens. A primeira vitória escapou entre os dedos, quinta-feira à noite, no Parque Antártica, quando o time se considerou prejudicado pelo juiz Luís Marcelo Vicente Cansian. No clube há um misto de indignação e revolta.Mas o técnico Pintado evitou centralizar suas críticas somente na arbitragem do jogo contra o Palmeiras, alegando que qualquer declaração sua poderia prejudicar o time. E tenta reverter, mais este obstáculo, a favor do elenco. Ele resumiu sua indignação ao dizer que o Atlético saiu como vencedor moral do jogo de quinta-feira, que terminou empatado por 2 a 2, com o Palmeiras empatando somente nos acréscimos e com um jogador a mais depois da expulsão do goleiro Velloso. "Lamento os pontos perdidos, que não voltam mais, mas considero que fomos os vencedores morais deste jogo em virtude dos acontecimentos", disse em tom de desabafo.A revolta dos sorocabanos se baseia na expulsão do goleiro Velloso sob a alegação de que ele estava simulando uma contusão e o juiz sequer o esperou levantar para mostrar o cartão vermelho. Como o jogo estava no final e as três alterações já haviam sido efetuadas, o atacante Éder foi para o gol e não conseguiu evitar o empate palmeirense, marcado por Osmar aos 50 minutos do segundo tempo. O acréscimo exagerado também foi questionado por alguns jogadores.Bronca - O goleiro Velloso, expulso ainda caído no chão, não escondeu sua revolta com o árbitro. "Nunca vi isso na minha vida. Tive um choque com o Marcos, estava machucado e o juiz não era médico para avaliar minha situação. Deste jeito é duro, ter que jogar contra dois adversários", esbravejou o goleiro, que será substituído por Wilson Júnior no próximo jogo. O volante Niander foi ainda mais incisivo: "Queria ver se ele expulsaria o Marcos, do Palmeiras, se ele estivesse caído no chão".Além dos erros da arbitragem, outro fato que irritou os jogadores do Atlético foram as declarações dos atletas do Verdão antes do jogo. Segundo alguns atletas do time de Sorocaba, os palmeirenses disseram que o jogo seria encarado como uma boa oportunidade de treinar e se reabilitar no Campeonato Paulista. "A gente é profissional, trabalha duro durante a semana e merecemos mais respeito por parte dos jogadores do Palmeiras", lamentou o zagueiro Paulão, que já jogou no São Paulo.O supervisor Marcos Bagatella, de maneira política, disse que o clube já protestou junto à Federação Paulista, mas não confirmou nenhuma decisão mais firme da diretoria. Depois do jogo no Parque Antártica, o Atlético Sorocaba espera conseguir sua primeira vitória neste domingo, quando receberá o Rio Branco, em Sorocaba.

Agencia Estado,

25 de fevereiro de 2005 | 19h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.