Sorocaba já conformado com a queda

Os dirigentes do Atlético Sorocaba jogaram a toalha no Paulistão. Parecem conformados com a volta para a segunda divisão. Penúltimo colocado do campeonato, com 13 pontos, o time comandado por Pintado vê sua permanência na Série A1 cada vez mais ameaçada.Para o vice-presidente Waldir Cipriani, somente um milagre salvará o time do rebaixamento. Mas como no Sorocaba, uma equipe patrocinada pelo dinheiro do reverendo Moon, não se acredita em milagres, dificilmente o time fundado em 91 escapará da degola. "A nossa chance é mínima, quase inexistente", lamentou Cipriani, que passou a acumular o cargo de supervisor de futebol depois da demissão de Marcos Bagatella.É ele que responde por quase tudo no clube. Com a calculadora nas mãos, faz as contas: "Para o Sorocaba se salvar, tenho de torcer por dois tropeços da Ponte Preta; por uma derrota e um empate do Rio Branco e para que o União Barbarense não some mais de quatro pontos nas duas últimas rodadas. Mesmo assim, teríamos ainda de golear nos dois jogos que nos restam. Não é nada fácil."Faltam duas rodadas para o encerramento do Paulistão. O regulamento determina que quatro equipes serão rebaixadas. Uma já caiu. É a Inter de Limeira, lanterna com nove pontos. O time apenas cumpre tabela para, pelo menos, encerrar sua participação com mais dignidade.A Inter vive um problema sério. Sem dinheiro, precisa pagar dois meses de salários atrasados e começa a ser pressionada pelo elenco para não levar o caso à Justiça. Sua diretoria decidiu fechar as portas após o Estadual e permanecer sem atividade esportiva durante o segundo semestre todo. A idéia é refazer as contas, tentar pôr a casa em ordem e recomeçar do zero na A2 em 2006. No começo do ano, o clube deverá reabrir suas portas ao futebol já sob nova direção, com eleições feitas para presidente.O Atlético Sorocaba corre o risco de ter o mesmo fim, sem, no entanto, passar por uma reformulação em sua diretoria. Não está descartada a possibilidade de a equipe principal parar com suas atividades até 2006. "A principal meta agora é arrumar o nosso estádio. Vamos trocar o gramado e contratar a mesma empresa que cuida do Morumbi e da Vila Belmiro. Nesta temporada, tivemos muitos contratempos por ter de atuar fora de casa", comentou seu vice-presidente.Já que o rebaixamento é iminente, a expectativa no clube diz respeito à participação na Série C do Brasileiro. "Se isso acontecer, reformularemos o time com investimentos mais modestos e seguiremos os nossos trabalhos. Mas se a vaga não vier, talvez fiquemos somente com as divisões de base no segundo semestre. Já era nossa intenção investir mais no estádio e nas obras do nosso Centro de Treinamento, que terá quatro campos."

Agencia Estado,

09 de abril de 2005 | 09h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.