Sorteio da Libertadores será amanhã

A Copa Libertadores da América de 2003 não escapou da crise financeira que assola o futebol internacional. Nesta terça-feira, no sorteio dos grupos envolvendo 32 clubes de dez países, a Confederação Sul-Americana (Conmebol) deve anunciar uma drástica redução dos prêmios. Santos, Corinthians, Grêmio e Paysandu são os quatro representantes do Brasil. A Conmebol também definirá a tabela das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2006.Na primeira fase da Libertadores, com início previsto para fevereiro, os 32 clubes serão divididos em oito grupos de quatro - classificam-se os dois melhores de cada chave. Os times brasileiros e argentinos devem ser confirmados como cabeças-de-chave. "A maioria das equipes quer receber a maior parte das cotas na primeira fase da competição, temendo uma eliminação precoce. Por isso a questão econômica, queira ou não, concentrará a atenção de todos", disse Nestor Benitez, porta-voz da Conmebol.Os clubes, além dos quatro brasileiros, que já garantiram vagas: Argentina - River Plate, Boca Juniors, Racing e Gimnasia y Esgrima; Paraguai - Olimpia, Cerro Porteño, Libertad e 12 de Outubro; Bolívia - Bolívar, The Strongest e Oriente Petrolero; Peru - Alianza Lima, Sporting Cristal e Universitario; México - Pumas e Cruz Azul; Uruguai - Peñarol e mais duas vagas indefinidas; Chile - Universidad Catolica e mais duas vagas; Equador - três vagas ainda sem clubes definidos.Na reunião desta terça-feira, a Conmebol deve definir também o formato das Eliminatórias do Mundial de 2006. A tendência é acabar com o sistema de todos contra todos em três anos de disputa, também por razões financeiras."A situação mudou e os montantes que oferecem os patrocinadores diminuíram muito. Por isso vamos rever o sistema de disputa", ressaltou Nicolas Leóz, presidente da Conmebol. "Alguns países querem mudar as regras que foram adotadas para os Mundiais de 98 e 2002."O plano inicial da Conmebol era iniciar as Eliminatórias em agosto de 2003 e terminar no segundo semestre de 2005. Os clubes europeus, donos da maioria dos grandes jogadores sul-americanos, foram os primeiros a protestar contra esse modelo. No sistema de todos contra todos, os atletas teriam de viajar quase todos os meses - prejuízo certo aos clubes."Recebemos uma proposta da Associação Uruguaia para fazer dois grupos de cinco seleções, classificando-se direto o vencedor de cada chave. Os outros oito disputariam entre si mais duas vagas e quem seria o quinto representante, que disputaria a repescagem com a Oceania", anunciou Nestor Benitez.A decisão da Conmebol depende ainda da Fifa determinar o número de vagas que a América do Sul terá na Copa do Mundo de 2006. Leóz disse nesta segunda-feira que insistirá em uma antiga pretensão sul-americana de ter cinco vagas fixas - até a última Copa, foram quatro seleções e uma quinta em disputa com um representante da Oceania."Pensamos em ter cinco vagas. O continente conquistou nove dos 17 Mundiais e a Europa, oito. Essa é a nossa carta de apresentação", afirmou o presidente da Conmebol.Leóz espera convencer a Fifa também com outros argumentos que considera insuperáveis. "Temos 50% das copas intercontinentais de clubes. Na última decisão da Copa Toyota (Mundial de clubes), em Yokohama, entre Real Madrid e Olimpia, participaram 17 jogadores sul-americanos incluindo os suplentes. A Ásia e África querem mais vagas, mas só têm três a quatro seleções de nível."Outro assunto que o Comitê Executivo da Conmebol colocará em discussão é o formato da Copa Pan-Americana, que será denominada de Copa Sul-Americana. A competição deixará de contar com clubes de fora do continente para receber pelo menos seis times do Brasil. A CBF ainda não definiu os representantes do País na Copa.A Fox Sports, canal norte-americano por assinatura, deve manter o patrocínio, agora em parceria com a TV Globo, que transmitiria os jogos dos clubes brasileiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.