Nelson Almeida / AFP
Nelson Almeida / AFP

'Soubemos neutralizar as virtudes do Palmeiras', diz auxiliar do Boca

Técnico exalta gol no começo da partida; para Ábila, final será entre as duas melhores equipes do torneio

Estadão Conteúdo

01 Novembro 2018 | 09h06

Auxiliar técnico do Boca Juniors, Gustavo Schelotto fez elogios ao time do Palmeiras na madrugada desta quinta-feira. E destacou o esforço que a equipe argentina fez para superar o time brasileiro na semifinal da Copa Libertadores. O Boca avançou à decisão ao empatar por 2 a 2 com a equipe paulista no Allianz Parque - no jogo de ida, vencera por 2 a 0.

"Não é fácil chegar a uma final de Libertadores, principalmente levando em conta os adversários que enfrentamos ao longo do torneio. O Palmeiras tem uma grande quantidade de virtudes, principalmente na parte ofensiva e não é fácil neutralizar isso. Foi um grande mérito dos nossos jogadores fazer frente a isso", comentou Gustavo Schelotto, que comandou o time nesta quarta em substituição ao irmão gêmeo Guillermo, suspenso.

Na avaliação de Gustavo, a classificação foi facilitada pelo gol marcado no início da partida. "Eles sentiram bastante o primeiro gol e isso nos deu tranquilidade. Mas, no segundo tempo, eles vieram para cima. Fizeram mudanças no ataque no intervalo, mas conseguimos neutralizá-los", declarou.

O meia uruguaio Nández também exaltou o gol no início. "Tínhamos claro em nossa mente que nossa meta era defender a diferença de gols construída no primeiro jogo. Mas sabíamos que teríamos que fazer um gol. O Palmeiras veio mais forte no segundo tempo, mas soubemos contê-los e nos classificamos à final", comemorou.

Na avaliação do atacante Ramón Ábila, ex-Cruzeiro, as duas melhores equipes da competição avançaram à final - na terça, o River Plate eliminara o Grêmio. "A final será disputada pelos dois melhores do torneio. E sabemos que há chances para os dois lados. Isso foi demonstrado durante a competição. Acho que cada time terá 50% de chance. Não há favoritos. Será um superclássico como nenhum outro."

Será a primeira vez na história da competição que dois times da Argentina vão decidir o título. E, para este duelo especial, Gustavo Schelotto pregou cautela. "Vamos nos planejar para vencer. Mas temos que seguir evoluindo, corrigindo as coisas que acreditamos que precisamos ajustar. Chegaremos muito bem para esta final, muito empolgados pelos resultados que estamos conquistando", declarou o auxiliar do Boca.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.