Paul Ellis/AFP
Paul Ellis/AFP

Southgate elogia Dinamarca, mas vê Inglaterra pronta para ir à final da Eurocopa

'Não estaremos totalmente satisfeitos apenas de chegar às semifinais', afirma o treinador da seleção inglesa

Redação, Estadão Conteúdo

06 de julho de 2021 | 19h34

Gareth Southgate não admitia ver a Inglaterra fora das semifinais da Eurocopa. Cumpriu a primeira missão e agora acha "insuficiente" não levar a seleção à decisão, diante da Itália, em Wembley. Estar na final para buscar o inédito título virou obsessão do comandante inglês. Mesmo elogiando os dinamarqueses, acredita que pode apagar a frustração da queda na semifinal da Copa do Mundo da Rússia, em 2018, para fazer história agora.

Na ocasião, a Croácia levou a melhor na prorrogação, por 2 a 1, se garantindo para decidir com a França. Mesmo derrotado na ocasião, o treinador viu o resultado como um impulso para renovação na seleção. E agora espera colher os frutos após aquela dura lição, em virada no tempo extra.

"Estamos prontos para a partida, os jogadores têm muita experiência nestas situações. Sabemos que temos o apoio de todo o país, e essa é uma sensação muito bonita", afirmou um empolgado Southgate, não admitindo outro resultado senão a vaga à grande decisão de domingo.

"Não estaremos totalmente satisfeitos apenas de chegar às semifinais", disse. "Há três anos, embora a decepção tenha sido muito grande, depois houve um sentimento que foi um grande progresso. Vivemos experiências que nos ensinaram como nos preparar para esses grandes jogos", seguiu. "E acho que isso faz parte da jornada que os times às vezes precisam passar. Eu me lembro que a Alemanha parou em várias semifinais antes de finalmente vencer. Esse tem que ser nosso objetivo."

Nada, porém, de desprezar os dinamarqueses. Mesmo com a Inglaterra apontada como favorita, Southgate pede pés no chão e elogia os rivais, muito motivados e com astral ainda maior após o susto com mau súbito de Eriksen na primeira rodada.

"É uma equipe muito boa, tem demonstrado isso nos últimos jogos. Vai ser muito equilibrado", previu. E mostrou que pode fazer mudanças na busca da final sonhada. "Temos sido sempre flexíveis com a tática nos últimos três anos, sempre escolhendo a mais correta para cada rival. A Dinamarca tem alternado muito entre jogos, mas os nossos jogadores são adaptáveis."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.