Lee Smith/Reuters
Lee Smith/Reuters

Southgate exalta fase da Inglaterra, mas lembra histórico ruim e pede 'humildade'

Treinador pede 'pés no chão' da seleção inglesa após goleada sobre o Panamá

Estadão Conteúdo

25 Junho 2018 | 18h14

Com duas vitórias em duas partidas, oito gols marcados e apenas dois sofridos, e já classificada às oitavas de final, a Inglaterra é uma das sensações desta Copa do Mundo. Apesar de encarar seleções teoricamente bem mais fracas - Panamá e Tunísia -, os ingleses convenceram as exigentes torcida e imprensa locais.

+ Após 6 a 1, Southgate diz que gostou mais de vitória inglesa na estreia

+ Artilheiro da Copa, Kane vê jogo 'incrível' da Inglaterra e admite sorte em gol

Como era de se esperar, a fase empolga também os jogadores e até o técnico da seleção, Gareth Southgate. "Nós queremos manter nosso momento acontecendo e queremos continuar vencendo estas partidas", declarou em entrevista ao canal da Associação de Futebol do país (FA) no Youtube.

O próprio treinador, no entanto, lembrou do histórico recente da Inglaterra para pedir "humildade" a seus jogadores. Afinal, o país vem repetidamente decepcionando em competições importantes há um logo período.

Southgate sabe disso e lembrou que de 2006 para cá, o país nunca conseguiu vencer um confronto de mata-mata em Eurocopas ou Copas do Mundo. No torneio continental, caiu nas quartas em 2012 e nas oitavas em 2016 - com o torneio já expandido. Já no Mundial, perdeu nas oitavas de 2010 e na fase de grupos em 2014.

 

"Nós deveríamos sempre sonhar, sempre ter estes sonhos. Mas nós também devemos ter humildade, porque nós temos jogos difíceis por vir. A gente não vence um confronto eliminatório desde 2006", comentou.

Antes de disputar as oitavas, porém, os ingleses encaram a Bélgica nesta quinta, em Kaliningrado, pela ponta do Grupo H, em duelo de duas das principais forças desta Copa. "Eu acho que é um jogo para o qual todo mundo está ansioso. É legal chegar para a partida sem precisar do resultado para classificar", apontou Southgate.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.