Sergio Perez/Reuters
Sergio Perez/Reuters

Southgate fala de 'dias difíceis' e confirma mudanças na seleção da Inglaterra

Treinador inglês elogiou a talentosa geração belga, mas disse que não a teme

Estadão Conteúdo

13 Julho 2018 | 12h02

O revés para a Croácia na última quarta-feira, que impediu a seleção da Inglaterra de chegar à final da Copa do Mundo da Rússia ainda é sentido pela equipe. O técnico Gareth Southgate disse que foram "dias difíceis" após a derrota, mas que o time se reergueu e está pronto para lutar pelo terceiro lugar do Mundial.

+ Bélgica tem treino animado e parabéns ao técnico Roberto Martínez por aniversário

+ Com todos à disposição, Inglaterra faz último treino antes de encarar a Bélgica

+ Seleção só ganha quando sua federação é profissional, alerta Infantino

A Bélgica é o adversário dos ingleses em busca da medalha neste sábado, às 11 horas (de Brasília), em São Petersburgo. O treinador inglês elogiou a talentosa geração belga, mas disse que não a teme. Ele admitiu que terá que mexer na equipe, já que alguns jogadores estão desgastados fisicamente, mas garante que fará o mínimo possível de mudanças.

"Obviamente não foi fácil. Estávamos a 20 minutos da final do Mundial e era nosso grande objetivo. Emocionalmente, tivemos dias difíceis", disse. "A Bélgica teve uma campanha brilhante até aqui. Eles têm vários jogadores excelentes e será um ótimo teste para nós. Mas não tenho medo de nada. Queremos melhorar a cada jogo. Subimos as expectativas e não vejo problema nisso, mas não vencemos nenhum dos times "top" até agora e queremos aproveitar essa oportunidade", completou Southgate.

Um dos destaques da campanha da Inglaterra no torneio e autor do gol da equipe na semifinal, o lateral Kieran Trippier está com dores na virilha e não deve jogar. Alexander-Arnold é o principal candidato a ser titular. O zagueiro Walker e o meia e capitão Henderson sofrem com desgaste físico e também podem ficar fora. Southgate ainda não definiu quem joga, mas indicou que realmente terá que mudar algumas peças.

 

"Não vai ser o mesmo time que começou antes, mas queremos fazer o mínimo de mudanças possíveis. Uma ou duas lesões, uma ou duas necessidades. Queremos ter uma grande performance e conquistar uma medalha, algo que só outro time da Inglaterra conquistou na história. A Bélgica ganhou de nós na estreia, então queremos também devolver isso", apontou o técnico.

Apesar de a seleção inglesa não ter conseguido chegar à final, o treinador disse que está orgulhoso do time que colocou o país em uma semifinal de Copa após 28 anos e melhorou a relação com os torcedores.

"Aumentamos a alegria dos jogadores de defender a Inglaterra. Eles têm agora uma conexão com o país, com a torcida. Os jogadores são incríveis e têm sido um prazer trabalhar com eles. Sentimos que devemos isso (a conquista do terceiro lugar) a nós mesmos e aos torcedores", concluiu o treinador.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.