Souza rebate críticas e enaltece experiência do São Paulo

Souza não vê a hora de estrear na Libertadores da América de 2007. Depois de ficar de fora do primeiro jogo - contra o Audax Italiano, no Chile - por causa de uma contusão muscular, o meio-campista está ansioso para fazer o técnico do Alianza Lima, Gerardo Pelusso, engolir tudo o que falou a respeito da equipe paulista. Os dois clubes se enfrentam nesta quarta-feira, às 22 horas, no Estádio do Morumbi.?Amanhã [quarta] é o dia da resposta. Vamos mostrar para ele que se esse São Paulo é melhor ou não do que o do ano passado?, avisou o camisa 10. ?No ano que vem, se ele pegar de novo o São Paulo pela frente, vai falar a mesma coisa. O São Paulo é sempre forte, independentemente de quem saiu e quem ficou. Ele deve ter visto o time errado. Deve ter assistido o´teipe´ do time de 92 e 93?, brincou o jogador, referindo-se ao time do São Paulo campeão naquelas duas edições da competição sul-americana.A polêmica envolvendo o jogo começou no início da semana, quando o treinador da equipe peruana, Gerardo Pelusso, comentou que o adversário na segunda rodada do Grupo 2 da Libertadores não possui a mesma força em relação as temporadas passadas. Para o comandante uruguaio, o clube paulista ainda sente as saídas de Cicinho, Lugano e Mineiro - todos foram para o futebol europeu.Já o técnico Muricy Ramalho foi mais cauteloso e não quis polemizar. ?Ele [Gerardo Pelusso] só comentou que o São Paulo perdeu jogadores, não foi para provocar. A gente dá muita importância. Não achei deselegante, foi normal?, analisou. De qualquer maneira, Souza reconhece que o atual campeão brasileiro também não terá vida fácil. Em sua quarta Libertadores pelo São Paulo, o camisa 10 sabe muito bem qual o espírito para se entrar em campo. ?Na Libertadores, o coro come, o filho chora e a mão não vê. O juiz só quer saber de jogo, manda seguir qualquer lance. E eu me identifico muito com tudo isso. Ainda mais pelo choque, pelo meu porte físico?, comentou.TemporalA forte chuva e os diversos raios que caíram na capital paulista no fim da tarde desta terça-feira interromperam o treino do São Paulo no CCT da Barra Funda. Os jogadores estavam começando o aquecimento para a realização do treino tático. O cancelamento do treino ocorreu para evitar incidente semelhante ao que ocorreu com o preparador físico Altair Ramos, que foi atingido por uma descarga elétrica em 1996 durante uma tempestade - ele comandava atividades físicas antes de um treinamento e sofreu várias queimaduras. "Lembro daquela vez, estava do lado do Altair quando tudo aquilo aconteceu. Desta vez preferimos encerrar a atividade um pouco mais cedo", comentou Muricy. "Estava difícil manter a concentração no treino. Cada raio que caía era um susto enorme. O bicho estava pegando e o Muricy atuou como zagueiro. Na dúvida, colocou para fora", brincou Souza.TabuAlém de estar há cinco meses sem sofrer nenhuma derrota, o São Paulo conta com o excelente retrospecto para superar o Alianza Lima mais uma vez. As duas equipes já se enfrentaram em cinco ocasiões, todas vencidas pelo time brasileiro. Ao todo, foram três partidas amistosas realizadas no Peru e dois jogos pela Libertadores da América em 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.