Sport não quer entrar em pânico

A partida contra o Botafogo, amanhã à tarde, na Ilha do Retiro, ainda não contará com a volta do atacante Adriano Chuva, que se recupera de uma ruptura de músculo na coxa esquerda e está há mais de um mês sem jogar. O técnico Hélio dos Anjos convenceu-se que o atleta ainda não está recuperado e acabou com a expectativa. No ataque estarão Ricardinho e Valdir Papel. E, para o treinador, o momento é de dar apoio e demonstrar confiança em quem vai entrar em campo. O trabalho técnico dos jogadores foi, durante toda a semana, acompanhado do trabalho psicológico. Sob a pressão de ter de ganhar os três jogos que tem pela frente para se manter no páreo disputando o retorno à Primeira Divisão, e com um rastro recente de derrotas e empates - há quatro jogos que o clube não ganha - os atletas não podem entrar em campo tensos nem desesperados para conseguir uma vitória. Hélio dos Anjos prega equilíbrio mental e emocional, sem pânico, mas também sem tranqüilidade em demasia. "Se entrarmos tranquilos demais, poderemos ser passivos", observou. É neste fio da navalha que os atletas esperam o momento de enfrentar o adversário, que, todos apostam, deverá estar mais retrancado e não tão ofensivo como em casa, no último jogo, em que ganhou por 3 a 1. O meia Nildo prevê que o Botafogo vem fechado, explorando os contra-ataques, e dando trabalho para furar o bloqueio. "É um jogo muito arriscado, um ataque perigoso, mas nossa obrigação é ir para cima", completou o volante Vagner Mancini. Todo o resto do time foi confirmado, com Gaúcho e Marcão no lugar de Silvio Criciúma e Barão, expulsos no último jogo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.