STJD acata pedido e Guarani vai cumprir punição em Campinas com portões fechados

O Guarani insistiu até o último momento e conseguiu manter os dois primeiros jogos como mandante da Série C do Campeonato Brasileiro no Estádio Brinco de Ouro da Princesa. As partidas, no entanto, terão portões fechados, segundo decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), na noite desta sexta-feira.

Estadão Conteúdo

13 de maio de 2016 | 19h58

Punido pelo tribunal por confusão em partida contra a Portuguesa no ano passado, o clube buscou uma medida para mandar a partida em Campinas. A exigência inicial era de que o jogo fosse sediado a pelo menos 100 km da sede do clube. A defesa alegou problemas econômicos e conseguiu, só no início desta noite, que o auditor Caio César Rocha aceitasse o pedido.

Estas partidas serão contra o Guaratinguetá, na estreia, no próximo dia 22, e na quarta rodada, contra o Macaé. Inicialmente, antes da decisão desta sexta, estes jogos seriam disputados na Arena Barueri.

Após a partida contra o Macaé, a torcida do Guarani pode voltar a acompanhar os jogos em casa normalmente no restante da primeira fase e, em caso de classificação, também no mata-mata da terceira divisão nacional.

A punição se deve a um jogo pela Série C de 2015 em que torcedores agrediram dirigentes da Portuguesa nas arquibancadas do Brinco de Ouro. Além disso, o time visitante reclamou da falta de energia elétrica, água e condições higiênicas no vestiário.

Fora de campo, o técnico Marcelo Chamusca continua à espera de reforços. O meia Marcinho, de 30 anos, ex-Caldense, já treinou com o grupo. E o nome de Lúcio maranhão, de 27 anos, do CRB, está na pauta.

Ainda sem eles o time vai fazer um jogo-treino no domingo cedo no Brinco de Ouro, porém, com portões fechados. O adversário será um time amador da cidade, cujo nome nem foi divulgado. A verdade é que todos se assustaram com a derrota por 6 a 2 para o Palmeiras, quarta-feira, em treino realizado em Atibaia, onde o time da capital treina para o Brasileirão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.