Divulgação
Divulgação

STJD avaliará caso de 'compra' de juiz de dirigente do Cruzeiro

Supervisor de futebol Benecy Queiroz pode ser punido

Estadão Conteúdo

12 de janeiro de 2016 | 16h53

A polêmica entrevista que concedeu na última segunda-feira a um canal de TV de Minas poderá custar caro ao atual supervisor de futebol do Cruzeiro, Benecy Queiroz, que admitiu ter tentado subornar um árbitro para que beneficiasse o time mineiro em jogos no passado. O dirigente falou à Rede Minas, em declarações um pouco confusas, de um episódio no qual citou o técnico Ênio Andrade, que trabalhou no Cruzeiro por três oportunidades entre 1989 e 1995, e que o goleiro do time era Vitor, que chegou ao clube em 1971 e saiu em 1984.

Mas, apesar da imprecisão histórica do episódio relatado por Benecy, que é funcionário do Cruzeiro há mais de quatro décadas, a Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) informou que irá analisar as declarações do supervisor, que corre o risco até de ser banido pelo futebol.

Se o STJD oferecer denúncia contra o dirigente, ele poderá responder pelos artigos 237 e 241 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) e artigos 42 e 62 do Código Disciplinar da Fifa. O CBJD, por sua vez, determina um prazo de 20 anos para que caso sejam prescritos. Entretanto, o código da Fifa não estabelece possibilidade de prescrição em investigações por corrupção.

Assim, Benecy pode ser julgado e punido após a entrevista desastrada na qual chegou a explicar o episódio da seguinte forma: "O treinador era Ênio Andrade, e nós, através de indicação de uma pessoa, achamos que compramos o juiz. E o juiz falou: ''Olha, fique tranquilo que o time adversário não sai do meio-campo''. Nos 45 primeiros minutos, ele deu muita falta só no meio do campo. Só que, por azar nosso, o adversário chutou uma bola do meio do campo, no ângulo, gol. O juiz continuou dando falta só no meio, só no meio".

Sem dar muitos detalhes sobre o jogo em questão, Benecy depois prosseguiu: "Na época a gente podia entrar no gramado, aí uma hora eu falei com ele (o árbitro): ''Ô velho, eu paguei você. Vê se dá o pênalti''. Aí ele falou: ''Manda seu time ir lá para frente que dou o pênalti''. Aí eu falei com o capitão: ''Manda todo mundo ir para frente, temos que empatar o jogo''. Foi para frente, mas toda bola ele dava falta contra o Cruzeiro. Então cheguei a conclusão de que empreguei o dinheiro errado".

''CONFUSA E INFELIZ''

Ao ser questionado sobre o caso envolvendo Benecy, o vice-presidente de futebol do Cruzeiro, Bruno Vicintin, qualificou a entrevista dada pelo dirigente como "confusa e infeliz", mas ao mesmo tempo negou que o Cruzeiro tenha conquistado qualquer título com ajuda da arbitragem em sua história.

Vicintin ainda esclareceu que a posição oficial do Cruzeiro em relação a Benecy será dada pelo presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares. "Todos nós ficamos muito chateados. Foi, sem dúvida, uma entrevista infeliz. Benecy tem 45 anos como funcionário do clube, vinha contando "causos" do futebol, e é público que no futebol mineiro existem ''causos'' e lendas, mas que nunca tomaram essa proporção. Para quem conhece o futebol mineiro, existem ''causos'', e ele estava contando os da carreira dele. Foi uma declaração infeliz. Ele se confundiu todo. Vi a declaração três vezes e nem consegui entender quando foi a história", afirmou o dirigente, na mesma entrevista coletiva na qual o meia argentino Matías Pisano foi apresentado como reforço nesta terça-feira.

Em seguida, o vice de futebol desafiou "qualquer pessoa (jornalista) que está escrevendo a falar um título que o Cruzeiro ganhou com ajuda da arbitragem". "O Cruzeiro conquistou o que conquistou trabalhando e jogando, e nada vai tirar isso do clube e da nossa torcida. O Cruzeiro já foi muito prejudicado, mas não houve essa mesma repercussão. A declaração foi infeliz, mas acho que tomou uma proporção muito grande. Cheguei a ler que o Benecy comprava árbitros em diversas épocas. O Cruzeiro nunca admitiu isso de funcionários do clube, e não aceitaria isso. O presidente Gilvan é conhecido por sua idoneidade. Não só ele, mas também o Cruzeiro. Isso ninguém vai tirar. Esse caso que o Benecy contou vai ser conversado entre ele e o presidente, e os dois vão passar a posição oficial do clube", prometeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.