Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

STJD denuncia Edu Dracena por chamar adversário de otário

Zagueiro do Palmeiras vai a julgamento por entrevista polêmica; órgão também denuncia jogadores e presidente do Atlético-MG

O Estado de S. Paulo

01 Agosto 2018 | 13h46

A Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) denunciou jogadores de Palmeiras e Atlético-MG, além do presidente do clube alvinegro, Sérgio Sette Câmara, por declarações polêmicas depois da partida entre as equipes, realizada pelo Campeonato Brasileiro, no último dia 22, no Allianz Parque. O julgamento está marcado para a próxima quinta-feira, no Rio de Janeiro.

+ Último jogo de Felipão pelo time teve Prass e Luan em campo

+ Moisés diz torcer por nova 'família Scolari' no clube

O zagueiro Edu Dracena, do Palmeiras, foi denunciado por conduta contrária à ética ou disciplina por ter xingado em entrevista após o jogo o atacante Ricardo Oliveira, do Atlético-MG. O defensor alviverde chamou o adversário de "otário". A suspensão pode ser de um a seis jogos, caso ele seja condenado no tribunal.

As demais denúncias envolveram representantes do Atlético-MG. O presidente do clube vai a julgamento por ter xingado o árbitro Péricles Bassols e a CBF nas redes sociais. "Vagabundo, ladrão e mal intencionado! Essa CBF é um lixo! Fora com essa 'comissão de arbitragem' pelo bem do futebol brasileiro!", escreveu. Sette Câmara acabou denunciado por ofender a arbitragem (suspensão de até 90 dias e multa de R$ 100 mil) e por conduta contrária à disciplina (pena pode chegar a 180 dias).

O volante Elias, do Atlético-MG, também vai ao tribunal por uma declaração dada ao fim do jogo com o Palmeiras, vencido pelo time paulista por 3 a 2. "É uma vergonha, não é, cara? São dois jogos seguidos fora de casa e dois jogos em que a gente está sendo assaltado, ao pé da letra", disse na ocasião. A arbitragem brasileira está passando por um momento ruim, negativo. Muita coisa tem que ser vista. Acho que os clubes têm que se unir para colocar logo essa m... desse VAR (árbitro de vídeo) para ver se melhora alguma coisa", completou.

A fala do jogador causou a denúncia dele pela Procuradoria para ser julgado, com o risco de pegar uma suspensão de quatro a seis partidas e multa entre R$ 100 e R$ 100 mil. O colega dele de time, Matheus Galdezani, pode ser suspenso por até seis jogos por ter xingado o árbitro em campo após o apito final. "Ainda teve a coragem de me expulsar seu safado", disse o meia, conforme relatado na súmula.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.