STJD joga duro e suspende zagueiros

Os zagueiros Lugano, do São Paulo, e Júnior Baiano, do Flamengo, foram punidos nesta segunda-feira com 3 e 2 jogos de suspensão, respectivamente, pela 1ª Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Na sessão, destaque para a tese de um dos auditores de que a imprensa está contribuindo para acirrar os ânimos contra os jogadores estrangeiros. também chamou a atenção o fato de o Rubro-Negro não ter mandado um advogado para defender seu jogador.Tanto Lugano quanto Baiano foram julgados com base no artigo nº 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) - por atitude contrária à disciplina ou à moral desportiva. Por imagens de TVs, o atleta do São Paulo foi denunciado por ter pisado no atacante Leandro, do Fluminense, e o jogador do Flamengo pela "banana" feita com as mãos para a torcida durante a comemoração do gol de empate do Flamengo contra o Cruzeiro, ambas partidas pelo Campeonato Brasileiro.Na tentativa de justificar o voto de absolvição para Lugano, o auditor Antonio Patino Zorz provocou a polêmica da noite ao sugerir que a imprensa esportiva está contribuindo para manchar a imagem dos jogadores estrangeiros no País. Citou o fato de Lugano ser chamado de "xerife", além de sua nacionalidade, uruguaia, ser reforçada nas matérias. O atacante corintiano argentino, Tevez, também foi usado como exemplo, já que protagonizou recentemente o episódio violento, ao brigar contra um companheiro de equipe, o zagueiro Marquinhos."Talvez Lugano e Tevez venham sofrer muito no tribunal, porque se criou em São Paulo algo como Lugano é xerife, o uruguaio. Como agora se criou com o Tevez. Isse me causa medo a medida que um estrangeiro vem aqui e não é tratado com igualdade", disse o magistrado paulista Zorz.Sua argumentação, no entanto, foi contestada veementemente pelos demais auditores.Lugano se mostrou surpreso com a sentença e não quis polemizar se está sendo perseguido. Foi claro ao dizer que existe um "clima estranho". O advogado do São Paulo, José Carlos Ferreira Alves, não deve recorrer da sentença, principalmente, porque a condenação foi por 3 votos a 2 e a tendência era a de que o zagueiro fosse apenado com um número maior de partidas."Não sei. O ambiente está um pouco estranho, mas é cedo para falar sobre isso", disse Lugano, que teve a pena amenizada pelo fato de nunca ter sido expulso em 236 partidas na carreira, sendo 104 pelo São Paulo.Já o Flamengo tentou adiar o julgamento de Júnior Baiano. O advogado do clube Michel Assef enviou uma petição pedindo a suspensão do pleito, mas foi rejeitada. O Rubro-Negro havia inscrito outros dez advogados para defendê-lo no STJD, mas nenhum compareceu. Resultado, o presidente da 1ª comissão, Wanderley Rabello, nomeou dois profissionais que estavam assistindo à sessão, que até tentaram mas não evitaram a condenação do zagueiro carioca.Reincidente, o zagueiro do Flamengo sofreu punição menor que a de Lugano (primário) porque seu gesto foi considerado de menor gravidade do que o feito pelo atleta do São Paulo. Mas, o jogador carioca deverá ser julgado novamente, desta vez, por desrespeito ao tribunal. Em uma entrevista nesta segunda-feira a uma rádio teria dito que "Zveiter (Luiz, presidente do STJD) estava querendo aparecer", por tê-lo julgado usando imagens de TV. A pena pode chegar a 720 dias de suspensão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.