Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

STJD marca para quinta julgamento que pode encurtar carreira de Rogério Ceni

Denunciado por ofensas à arbitragem, goleiro pode pegar 6 jogos

CIRO CAMPOS, Estadão Conteúdo

26 de outubro de 2015 | 18h14

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) vai julgar na próxima quinta-feira pela manhã o goleiro Rogério Ceni, do São Paulo, por críticas ao árbitro Dewson Freitas da Silva após o empate em 2 a 2 com o Vasco, no dia 18, pelo Brasileirão. O goleiro de 42 anos foi enquadrado no artigo 243-F do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, que fala sobre ofensas à arbitragem, e se pegar a pena máxima, de seis jogos, vai encerrar a carreira antes do previsto.

No jogo o Vasco teve um pênalti marcado a seu favor no fim do primeiro tempo, quando o lateral Mateus Reis tentou dar um carrinho, mas a bola resvalou em seu braço. No lance, o são-paulino levou o segundo cartão amarelo e foi expulso. "Esse pênalti não é marcado dentro de campo. Esse pênalti já tinha sido marcado antes de começar do jogo, só bastava a circunstância", comentou Ceni, na ocasião.

O Procurador do STJD, Paulo Schmitt, denunciou o atleta pela crítica ao árbitro. Pelo artigo, a punição prevista é de quatro a seis jogos. Como faltam seis rodadas para o fim do Brasileirão, Rogério Ceni corre o risco de dar adeus à carreira mais cedo caso a pena máxima seja aplicada. O jogador não deve comparecer ao julgamento pois na noite de quarta-feira estará em campo na Vila Belmiro, contra o Santos, pela Copa do Brasil.

Após o jogo com o Vasco, apesar de elogiar o árbitro, Ceni explicou que no lance foi marcado pênalti porque dias antes o presidente do Vasco, Eurico Miranda, havia criticado o árbitro da partida entre seu time e a Chapecoense, no Maracanã, que terminou empatada em 1 a 1 e teve vários lances polêmicos.

Segundo Eurico Miranda, o presidente da Federação Catarinense de Futebol, Delfim Peixoto, visitou o vestiário do trio de arbitragem no Maracanã. "Sem dúvida, o que foi feito nesta semana (entrevista do Eurico Miranda) influenciou na marcação deste pênalti", reclamou Ceni.

No mesmo julgamento o lateral Matheus Reis será réu pela jogada em que foi expulso. O jogador foi enquadrado no artigo 258, que fala de assumir atitude contrária à prática desportiva, e tem como pena um a dez jogos de suspensão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.