Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

STJD mira desabafos de jogadores nas redes sociais

Críticas à arbitragem feitas em diversos canais estão sendo analisadas pelo órgão, que vê tentativa de pressão e pode indicar punição

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

03 Maio 2018 | 07h00

As críticas que os jogadores estão fazendo à arbitragem nas redes sociais também estão sendo lidas pelos procuradores do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O órgão vem analisando os comentários publicados nas contas pessoais no Facebook, Instagram e Twitter nas primeiras rodadas do Brasileiro e pode denunciar os reclamões, como informa seu presidente. “O STJD está ciente desses acontecimentos e já estamos analisando os casos para oferecimento de denúncias”, diz Ronaldo Piacente, presidente do STJD, ao Estado

+ Presidente do Palmeiras é denunciado por entrevista sobre 'Paulistinha'

+ Campanha pede que são-paulinos tratem jogo da Sul-Americana como 'quarta de Libertadores'

Depois que os jogadores perceberam que as entrevistas dadas para os meios tradicionais tinham grande repercussão nos tribunais, eles migraram para a internet. E os comentários estão se tornando cada vez mais comuns na redes. No último fim de semana, por exemplo, o volante Felipe Melo, do Palmeiras, foi irônico ao comentar a atuação do trio de arbitragem no empate por 0 a 0 com a Chapecoense, no Allianz. O árbitro Igor Benevenuto apontou impedimento de Antônio Carlos e anulou um gol no último lance do jogo, mas as câmeras de tevê mostraram posição legal. “Mostre o impedimento do Antônio Carlos e ganhe uma camisa do Palmeiras”, disse Felipe Melo.

O zagueiro Arboleda protestou contra a arbitragem de Rodolpho Toski Marques no empate entre Fluminense e São Paulo, no Maracanã, Rio. “Como pode ser possível um árbitro não marcar uma falta dessas, não prejudique o trabalho”, escreveu o equatoriano do São Paulo. 

Até os clubes costumam usar os perfis sociais para desabafar. Para denunciar o que considerou erros de arbitragem nos jogos com o Atlético-MG pelo Estadual, o América fez uma postagem bem-humorada. A referência é o programa Fantástico, da Rede Globo. “Três erros decisivos contra o mesmo time também valem música? É ou não é fantástico”, escreveu o clube.

O movimento não é novo. Quando atuava no Santos, Neymar afirmou que teve seu Twitter utilizado por um assessor que teria postado: “Juiz ladrão vai sair no camburão”. Ele se livrou da suspensão do STJD, mas foi multado em R$ 15 mil. 

O Superior Tribunal vê nos comentários uma tentativa de intimidação à arbitragem. Esse seria o problema da manifestação. “Analiso essa questão de forma preocupante, pois é nítida a intenção de pressão sobre a arbitragem com comentários e críticas muitas vezes infundadas e com interesse de justificar eventual má atuação do clube ou do atleta em campo”, diz o presidente Ronaldo Piacente. 

Blindagem

Em geral, as críticas não são vistas pelos árbitros. Marcos Marinho, presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, afirma que eles são orientados a não acessar as redes. “Nossa recomendação é para que os árbitros não entrem nas redes sociais. Eles não devem ler comentários nem publicá-los”, diz. Sobre o teor das mensagens, Marinho entende que elas têm de ser respeitadas. “A opinião tem de ser respeitada, desde que não haja ofensa.” 

Para prevenir problemas com a arbitragem, os clubes estão ensinando os atletas a se comportar diante do teclado. O Palmeiras, por exemplo, tem uma cartilha entregue em mãos aos novos contratados. Trata-se de um material dividido em tópicos. A preocupação maior do clube é com o ambiente interno, pois o Palmeiras pede que os jogadores não critiquem os colegas, por exemplo. Mas a arbitragem é item importante: a orientação é para que reclamações e ofensas sejam evitadas. 

Os desabafos nas redes sociais são comuns também em outros países. Não é só no Brasil. “Penal de m...”, escreveu o chileno Arturo Vidal após a eliminação do Bayern de Munique diante do Real Madrid na Liga dos Campeões. O chileno reclamava do toque do brasileiro Marcelo. Sobre o mesmo lance, o zagueiro Boateng publicou em inglês. “Não foi pênalti. Ah, que isso!”, divulgou nas redes. 

No ano passado, o zagueiro Gerard Piqué reclamou dia sim dia não da arbitragem. “Contra as mesmas equipes. Oito pontos”, escreveu o jogador, colocando fotos de manchetes de jornais citando erros a favor do Real e contra o Barcelona.

O zagueiro foi repreendido pelo time catalão e passou a evitar reclamações sobre a arbitragem nas redes sociais.

Jailson chegou a ser punido por declarações

O Palmeiras teve de agir, meses atrás, para defender um jogador que foi denunciado pelo tom de sua entrevista. O goleiro Jailson pegaria três jogos de suspensão por ofensas à arbitragem durante o Campeonato Paulista, o que obrigou o departamento jurídico do clube a se esforçar para conseguir diminuir a suspensão.

Após a derrota por 2 a 0 para o Corinthians, pela primeira fase, em Itaquera, Jailson atacou a arbitragem na saída do campo. “Sei que posso ser punido, mas passaram a mão de novo aqui dentro, todo jogo é assim”, disparou. Dias depois o Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP) determinou a suspensão dele por três partidas.

O clube, então, resolveu se desdobrar para amenizar a punição.

Inicialmente, o atleta ficou um jogo fora, até o Palmeiras conseguir efeito suspensivo. Graças a isso Jailson pode jogar a semifinal com o Santos, quando foi herói da equipe, ao defender um pênalti cobrado por Diogo Vitor.

A liberação final da pena para Jailson só veio às vésperas da decisão do próprio campeonato, cerca de 40 dias depois da entrevista polêmica. O clube conseguiu convencer o tribunal de que a declaração do atleta foi dada em um momento de raiva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.