Gustavo Oliveira / Londrina
Gustavo Oliveira / Londrina

STJD pune Brusque com a perda de três pontos pelo caso de racismo com Celsinho

Jogador do Londrina sofreu ofensa racial por conselheiro do time catarinense durante partida pela Série B. Clube foi multado em R$ 60 mil, enquanto o dirigente foi suspenso por 360 dias e terá de pagar multa no valor de R$ 30 mil

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2021 | 16h32

A ofensa racial praticada pelo conselheiro do Brusque, Júlio Antônio Petermann, contra o meia do Londrina, Celsinho, durante jogo realizado no dia 28 de agosto, pela 21ª rodada da Série B do Brasileiro, foi julgada pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) nesta sexta-feira e o time catarinense foi punido com a perda de três pontos, mais R$ 60 mil de multa. Já o conselheiro foi suspenso por 360 dias e multado em R$ 30 mil.

Com a punição, o Brusque perde uma posição e fica na beira da zona de rebaixamento, em 16º lugar, com 26 pontos. O Vitória é o primeiro time do Z4, com 25.

Tanto o Brusque quanto o conselheiro foram julgados pelo artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que diz “praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito”.

Antes de Brusque x Londrina, Celsinho já havia sido alvo de ofensas racistas em outras duas partidas, contra o Goiás e, uma semana depois, diante do Remo, ambos em julho. Nos dois casos, os xingamentos partiram de profissionais de emissoras de rádio durante as transmissões dos confrontos.

O caso

No final do primeiro tempo do jogo entre Brusque e Londrina, o meia Celsinho disse ao quarto árbitro ter sido alvo de falas racistas de uma pessoa do staff quadricolor que em um dos camarotes do Estádio Augusto Bauer. Na súmula da partida, o árbitro sergipano Fábio Augusto Santos Sá Júnior relatou assim o ocorrido:

"Por volta dos 45 minutos do 1º tempo, o atleta do Londrina, sr. Celso Luis Honorato Junior, informou ao quarto árbitro que foi ofendido com as seguintes palavras: "vai cortar esse cabelo seu cachopa de abelha", por um homem na arquibancada, que foi identificado pelo coordenador da CBF, sr. Ricardo Luiz, como Julio Antônio Petermann, staff da equipe do Brusque".

Além de demorar para se manifestar, o Brusque soltou uma nota no dia seguinte relativizando o ocorrido e acusando Celsinho de "oportunismo". Diante da repercussão negativa, o clube publicou uma nova nota, assinada pelo presidente Danilo Rezini, pedindo desculpas pelo "posicionamento equivocado".

Na sequência, o Brusque também anunciou o afastamento por tempo indeterminado do conselheiro que foi identificado como o responsável pelas ofensas racistas ao meia do Londrina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.