STJD vai apurar distúrbios em estaduais

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) ameaçou nesta segunda-feira punir severamente os responsáveis pelos distúrbios em várias decisões de Estaduais, ocorridas no fim de semana. No Rio, o gramado do Maracanã foi invadido por dezenas de pessoas antes do término do jogo entre Flamengo e Vasco, em que seis atletas foram expulsos. Em Minas Gerais, o zagueiro Cris, do Cruzeiro, e o goleiro Eduardo, do Atlético, trocaram socos e pontapés assim que o clássico terminou. E em Curitiba, a torcida do Atlético-PR atirou objetos em campo, um deles atingiu o rosto do técnico do Coritiba, Antonio Lopes.O presidente do STJD, Luiz Zveiter, determinou à Procuradoria do Tribunal que acompanhe com toda atenção os julgamentos dos tumultos pelos tribunais locais. A primeira etapa vai ser o relato da súmula de cada árbitro das três partidas mais tumultuadas do fim de semana. "Se houver relaxamento, seja de quem for, o STJD vai entrar em ação e punirá com rigor os culpados e os omissos", afirmou Zveiter. "Foram fatos lamentáveis e daremos um prazo de uma semana para saber quais as providências nos âmbitos estaduais. Não pensaremos duas vezes se tivermos de afastar auditores dos tribunais locais." No Rio, houve irregularidades desde a primeira partida da final do Carioca, quando o técnico Abel Braga invadiu o campo para ofender o árbitro, foi expulso e não sofreu nenhuma punição antes do jogo de domingo. Pelo Artigo 274 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), ele teria de ser suspenso entre 120 e 720 dias.Durante a semana, o técnico Geninho, do Vasco, também se manifestou de forma antiesportiva, ao ordenar a seus jogadores que agredissem os adversários, se fosse necessário. Uma atitude passível de punição - o fato de a declaração ter sido dada durante um treino do Vasco não serve de atenuante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.