Suárez depõe na Corte Arbitral e decisão só sai na próxima semana

Atacante do Barcelona está impedido pela Fifa de realizar qualquer atividade oficial pelo seu clube por causa de mordida em Chiellini

Estadão Conteúdo

08 de agosto de 2014 | 11h49

A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) realizou nesta sexta-feira uma sessão de seis horas para ouvir a apelação do atacante uruguaio Luis Suárez à pena aplicada por morder um adversário durante a Copa do Mundo. O tribunal antecipou que deve dar um veredicto na próxima semana.

Suárez, recém-contratado pelo Barcelona, deu autógrafos em frente ao tribunal após a audiência e saiu sem falar com a imprensa. O painel "informou às partes que se pronunciará o mais rápido possível, provavelmente antes do final da próxima semana".

A CAS disse que o atacante apresentou uma declaração oficial. Ele tenta convencer o painel de três membros a reduzir a sua suspensão de qualquer atividade de futebol por quatro meses e nove partidas da seleção do Uruguai em competições oficiais.

O tribunal já tinha previsto emitir uma decisão na próxima semana após a Fifa aceitar a solicitação de que o processo fosse acelerado. O Barcelona inicia a sua participação no Campeonato Espanhol em duas semanas. A punição imposta pela Fifa se estende até 25 de outubro, e proíbe Suárez de treinar com seus companheiros de clube.

Suárez admitiu ter mordido o ombro do zagueiro italiano Giorgio Chiellini durante a vitória do Uruguai por 1 a 0, em partida disputada em Natal e válida pela fase de grupos da Copa do Mundo. No entanto, os advogados da Associação de Futebol Uruguaio e o Barcelona tentam convencer os três membros do painel de que as sanções são muito severas.

O grupo que reúne os sindicatos dos jogadores, o FIFPro, criticou a suspensão de quatro meses, a avaliando como uma violação do direito ao trabalho. Suárez tem treinado somente com a ajuda de um personal trainer enquanto não pode trabalhar com seus companheiros e nem entrar no estádio do Barcelona.

A Fifa permitiu que Suárez se submetesse a um exame médico para completar a sua transferência do Liverpool para o Barcelona no mês passado com um contrato de cinco temporadas. O clube catalão teria desembolsado 75 milhões de libras (aproximadamente R$ 289 milhões), mas não teve permissão para apresentá-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.