Federico Anfitti/EFE
Federico Anfitti/EFE

Suárez e Godín exaltam recepção no Uruguai e celebram 'orgulho' por campanha

Líderes da seleção uruguaia desembarcaram no aeroporto de Montevidéu e falaram com a imprensa

Estadão Conteúdo

09 Julho 2018 | 06h46

A torcida uruguaia reconheceu a campanha da seleção nacional na Copa do Mundo e compareceu em peso no desembarque dos jogadores no aeroporto de Montevidéu, nas primeiras horas desta segunda-feira. Para o atacante Luis Suárez, tratou-se da resposta do povo do país a uma trajetória que merece ficar marcada, e que terminou nas quartas de final na Rússia.

+ Godín se torna o jogador que foi mais vezes capitão do Uruguai em Copas

+ Presidente uruguaio envia carta apra apoiar jogadores após eliminação

+ Com os olhos marejados, Tabárez lamenta eliminação: 'Foram melhores'

"Chegamos como uma seleção a mais e acabamos em quinto no Mundial. Fomos a melhor da América do Sul, e isso precisa ser valorizado", considerou o jogador do Barcelona. "É um orgulho. Acho que estamos em sintonia de que fizemos um bom papel."

Quase mil pessoas compareceram ao aeroporto e recepcionaram os jogadores com gritos de "Uruguai!" e "sou uruguaio!". A delegação do país chegou à capital por volta das 3 da manhã, o que não impediu que a torcida encarasse o intenso frio pelo inverno local para fazer festa.

"Estamos muito agradecidos. Estivemos a uma partida de ir outra vez às semifinais de um Mundial, ficamos na quinta posição. Fizemos um grande Mundial, obviamente aspirávamos mais, claro que a aspiração e o sonho sempre é o máximo, mas o balanço é positivo e nos traz muitas sensações boas, porque creio que, no geral, vivemos coisas boas", considerou o zagueiro e capitão da seleção, Diego Godín.

 

Na Copa, o Uruguai iniciou a campanha com vitórias sobre Egito, Arábia Saudita e Rússia. Nas oitavas, a seleção eliminou Portugal com um triunfo por 2 a 1, mas perdeu Cavani, autor dos dois gols, lesionado. Sem ele, não resistiu às armas da França, que venceu por 2 a 0 nas quartas, na última sexta-feira.

Talvez o grande nome desta geração, o próprio Suárez reconheceu que a ausência de Cavani foi bastante sentidas nas quartas de final. "Ele é um jogador diferente, que causa preocupação aos rivais", considerou o jogador, que também exaltou o técnico Óscar Tabárez. "Ele é importantíssimo, por tudo que já deu à seleção. Fez um trabalho muito grande, que ninguém mais fez, e é preciso valorizá-lo."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.