Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Substituições certas de Roger evitam insatisfações no Palmeiras

Com apostas que rendem no time titular, técnico consegue impor estilo e convencer quem por acaso perdeu uma vaga

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

03 Março 2018 | 07h00

O técnico Roger Machado, do Palmeiras, tem se mostrado no começo de ano um profissional de escolhas certeiras na hora de definir o time titular. Na última partida, por exemplo, a vitória por 3 a 0 sobre o Junior, na Colômbia, pela estreia na Copa Libertadores, as surpresas dele na formação titular foram bem, assim como o ocorrido em partidas anteriores.

+ Clube vende 24 mil ingressos antecipados para clássico

+ Palmeiras tira Mayke e inscreve Fabiano no Estadual

O sucesso nas definições ajuda em um trabalho considerado fundamental por Roger, o de manter o ambiente do elenco. O técnico considera a gestão de grupo como 50% do sucesso da suas atividades e ao conseguir ter êxito nas escolhas, ele ajuda a amenizar possíveis insatisfações por parte de quem perdeu vaga no time e deu lugar para quem entrou e desempenhou um bom papel.

Na vitória em Barranquilla o treinador foi feliz em duas mexidas. No meio-campo, Tchê Tchê deu lugar a Bruno Henrique. Titular pela primeira vez, o jogador marcou dois gols e foi decisivo. "Estou encarando o banco de reservas com muita tranquilidade, pois sei que o elenco é realmente muito forte e disputado, e todos que estão lá dentre os titulares têm plenas condições de entrar e resolver", comentou.

A outra alteração foi na lateral. Michel Bastos perdeu vaga após ter atuado seguidamente como titular. Victor Luís entrou, deu consistência ao setor e tem chances de ser mantido para os próximos jogos. Na segunda-feira, o Palmeiras recebe o São Caetano, no Allianz Parque, pelo Campeonato Paulista.

Roger costuma mencionar nas entrevistas coletivas o empenho particular em conversar com os jogadores para manter todos no elenco motivados. O intuito dele é dar oportunidade para quem se destaca nos treinos diários e dessa forma, conseguir criar uma disputa sadia por posições. Ao mesmo tempo, o treinador procura atender quem perde posição, para que o atleta não se sinta desprestigiado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.