Suécia vê perigo no jogo contra Trinidad e Tobago

Será que a desconhecida seleção de Trinidad e Tobago pode ser considerada um perigo? Para Lars Gerback, técnico da Suécia, a resposta é sim. Depois de conhecer melhor o adversário da estréia na Copa do Mundo - sábado, em Dortmund -, o treinador alertou os comandados. ?Nesse momento, a maior preocupação é com nosso setor defensivo?, comentou. ?Trinidad e Tobago tem jogadores muito rápidos, especialmente pelas laterais.? Gerback sabe que se sua equipe não sofrer gols, tem grandes chances de vencer, pois conta com um ataque forte, formado por Larsson e Ibrahimovic, destaques do Barcelona, da Espanha, e da Juventus, da Itália, respectivamente. ?Precisamos respeitar nosso adversário, pois esse é um jogo-chave?, resumiu o treinador, em entrevista coletiva nesta quarta-feira, em Bremen. Mas todo cuidado pode ser pouco, se o objetivo dos suecos for o título mundial. Nas semifinais, os nórdicos podem ter de enfrentar o Brasil, seleção que nunca venceram em Copas do Mundo - foram seis jogos, três derrotas e três empates. ?O Brasil é um problema histórico para a Suécia e sempre é o principal favorito para vencer a Copa?, afirmou o goleiro Shaaban. ?Há brasileiros muito bons, como o Gilberto Silva, com quem joguei no Arsenal?, citou. ?Ele é uma boa pessoa e um ótimo atleta.? Na opinião do goleiro, uma das virtudes do time de Carlos Alberto Parreira é o equilíbrio. ?O Brasil têm estrelas em várias posições, especialmente no ataque?, comentou Shabaan. ?Mas estou surpreso com a defesa brasileira, que também têm feito um bom trabalho nos últimos jogos.? Shabaan só não arriscou dizer o que pode acontecer se a Suécia tiver a seleção brasileira novamente pelo caminho. ?Primeiro nós temos de passar pela primeira fase, assim como o Brasil?, ponderou. ?Claro que seria uma partida sensacional, porque teríamos a chance de enfrentar jogadores de muito destaque.? O atacante Allback foi ainda mais arredio e não quis comentar o virtual duelo. ?O Brasil não está no nosso grupo, estamos totalmente concentrados em Trinidad e Tobago, Inglaterra e Paraguai (adversários da primeira fase)?, disse Allback. ?Se chegarmos à semifinal, então eu respondo sobre o Brasil?, cortou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.