Jewel Samad/AFP
Jewel Samad/AFP

Suíça condena banqueiro por lavagem de dinheiro de cartolas sul-americanos

Condenação é a primeira de 25 inquéritos conduzidos no país desde 2015

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2017 | 05h23

A Suíça condena o ex-banqueiro Jorge Arzuaga por ter ajudado os cartolas do futebol sul-americano a lavar milhões de dólares em propinas em contas secretas pelos bancos suíços. De acordo com o Ministério Público da Confederação, a condenação é a primeira de 25 inquéritos que estão sendo conduzidos no país desde 2015. Um deles envolve diretamente o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira.

Jorge Arzuaga trabalhava no banco Credit Suisse e Julius Baer, amplamente usado pelos dirigentes sul-americanos. Nesta sexta-feira, Berna anunciou que ele foi condenado por falsificar documentos e não informar às autoridades sobre suspeitas de lavagem de dinheiro. 

Em compensação, o banqueiro recebeu pagamentos no valor de US$ 650 mil. Agora, esse dinheiro será transferido ao Tesouro suíço. De origem argentina, o banqueiro admitiu ser culpado diante do Tribunal de Nova York, que julga os casos de corrupção na Fifa.  

Segundo a investigação americana, Arzuaga criou empresas de fachada para esconder US$ 2 milhões em pagamentos ilegais por parte de empresas que queriam ficar com direitos de torneios sul-americanos. Para as autoridades de Nova York, ele indicou que obteve ganhos de US$ 1 milhão com o serviço prestado. 

Ele teve de pagar uma fiança de US$ 1,5 milhão para aguardar o processo em liberdade. Mas admitiu que, em sua rede de serviços, ajudou o ex-vice-presidente da Fifa, Julio Grondona, a esconder milhões de dólares em propinas. Na rede de contas fraudulentas, ele ainda transferia recursos para familiares dos cartolas. Para a corte americana, o argentino afirmou “lamentar” seus atos.  

A condenação suíça é a primeira desde que o caso eclodiu em 2015. Mas, de acordo com Berna, 178 alertas de lavagem de dinheiro foram registradas envolvendo o caso da Fifa.  

No total, o Ministério Público da Suíça realiza 25 investigações sobre a corrupção no futebol e está avaliando 19 terabytes de documentos e dados.  

Um desses casos envolve diretamente Ricardo Teixeira. A pedido da Justiça americana, os suíços repassaram dados sobre contas bancárias relacionadas ao brasileiro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.