Brian McDermid|Reuters
Brian McDermid|Reuters

Suíça extradita ex-dirigente da Concacaf acusado de corrupção

Assesor de ex-dirigente, Takkas embarca aos Estados Unidos

Estadão Conteúdo

22 de março de 2016 | 16h55

Costas Takkas, um dos principais assessores do ex-presidente da Concacaf, Jeffrey Webb, foi extraditado para os Estados Unidos nesta terça-feira. Envolvido no caso de corrupção da Fifa, ele estava preso na Suíça desde o dia 27 de maio do ano passado, quando outros seis cartolas da entidade máxima do futebol mundial também foram detidos, entre eles o ex-presidente da CBF José Maria Marin.

Além de dirigente da Concacaf, Takkas era secretário-geral da Associação de Futebol das Ilhas Cayman. De origem grega e britânica, ele é acusado de cobrar e receber milhões de dólares em propina na negociação para ceder os direitos de transmissão de jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo.

Antes dele, Webb já havia sido extraditado para os Estados Unidos. Agora ele aguarda sentença da Justiça norte-americana. Outros quatro dirigentes, incluindo Marin, também estão em solo americano, após extradição aprovada pela Ministério da Justiça da Suíça.

Com a transferência de Takkas, resta agora apenas um dirigente da Fifa ainda preso em Zurique. Trata-se de Julio Rocha, ex-presidente da Federação de Futebol da Nicarágua. Sua extradição está sendo negociada e deve ser confirmada nas próximas semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.