Suíça sonha alto e se anima por não enfrentar a Espanha

A classificação para as oitavas-de-final em primeiro lugar no grupo G, concretizada nesta sexta-feira após de vitória por 2 a 0 sobre a Coréia do Sul, foi muito comemorada pela delegação suíça. Agora, jogadores e comissão técnica se mostram otimistas com relação à evolução da equipe no Mundial."Alcançamos nossa primeira meta, mas agora queremos mais", disse nesta sábado o goleiro Pascal Zuberbuehler, o único que não sofreu gols na primeira fase da competição.Com relação ao próximo adversário, a Ucrânia, o técnico Koebi Kuhn foi moderado, mas confiante. "Uma vez mais, teremos um rival forte. Mas acreditamos que poderemos passar para a fase seguinte", afirmou o treinador, que diante dos sul-coreanos completou a 50ª partida à frente da seleção suíça - um recorde naquele país.Como vencedora da chave, a Suíça evitou um confronto com a Espanha, rival que nunca venceu em sua história - foram 15 derrotas e três empates. Na Copa de 1994, a Suíça foi eliminada nas oitavas-de-final pela seleção espanhola, ao perder por 3 a 0. "A Espanha seria um adversário muito mais difícil", admitiu Kuhn.O meia Hakan Yakin tem a mesma opinião. "Pelo que vimos, eles têm uma equipe de alto nível, e por isso estamos contentes por temos vencido o grupo". Suíça e Ucrânia se enfrentarão nesta segunda-feira, em Colônia. A melhor participação da Suíça em Mundiais foi em 1954, na Copa realizada em casa, quando chegou às quartas-de-final e perdeu para a Áustria por 7 a 5 - até hoje o recorde de gols em uma partida válida pela fase final de uma Copa do Mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.