Adrian Dennis/AFP
Adrian Dennis/AFP

Suker se diz 'muito contente' com o vice da Croácia: 'É um resultado histórico'

Ex-jogador foi o principal responsável pelo terceiro lugar croata em 1998, na Copa da França

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

15 Julho 2018 | 15h58

Presidente da Federação Croata de Futebol e ex-atacante da seleção, artilheiro da Copa do Mundo de 1998, quando a equipe terminou na terceira colocação, Davor Suker está orgulhoso pelo vice-campeonato mundial em 2018. "Estou muito contente. É um resultado histórico", afirmou o dirigente neste domingo, em Moscou, após a derrota por 4 a 2 do seu país para a França na decisão.

+ Croácia domina a posse de bola, mas França triunfa ao ser letal

+ Técnico da Croácia critica pênalti, mas reconhece boa atuação da França

"Há um mês, ninguém falava que estaríamos na final. Temos bons jogadores, estamos orgulhosos de todo, orgulhosos do nosso povo. São 4 milhões de habitantes que amam futebol, todos perceberam o nosso esforço e reconhecem o nosso êxito. E agora sabemos que muitas pessoas gostam da Croácia", disse o ex-artilheiro, que concedeu entrevista em espanhol fluente - ele jogou durante muito tempo no Real Madrid.

Suker não quis dar desculpas pela derrota, mas acredita que o peso de três prorrogações seguidas nas fases anteriores do Mundial fez a diferença na decisão de forma negativa para os croatas. "Viemos de três partidas de 120 minutos, o que dá um jogo a mais. E todo mundo queria jogar essa final, os jogadores deram a vida. São coisas do futebol. Demonstramos que não importa dinheiro, nada... O que vale é um grupo de 23, 24, 26, 32 jogadores. A única coisa que conta em Copas é a união. Esse Mundial nos deu permissão para sonhar, sonhamos no princípio e chegamos ao final", comentou.

O cartola elogiou muito o meia Modric, eleito o melhor jogador do Mundial da Rússia. "Ele fez ótimos jogos, controlou as partida. É um líder enorme. Graças ao jogador do Real Madrid fomos muito bem. Quero aproveitar para agradecer à torcida madridista que mandou milhares de mensagens para a gente e torceram pela Croácia. O que esses garotos fizeram não é fácil, temos que celebrar sim."

 

Para ele, a chave do jogo deste domingo não foi nem o pênalti para a França no primeiro tempo, mas sim as chances desperdiçadas pela Croácia. "Eu achei justo o pênalti. Com 2 a 1, tivemos a chance de empatar, a bola quase sobrou para o Mandzukic no final do primeiro tempo. Faz parte."

O presidente da Federação Croata de Futebol disse que está cansado e só vai pensar no futebol de novo na semana que vem. "Quero descansar. Vou desligar o celular... estou morto... vou ver meu papai, jantar em casa e me jogar no Mar Adriático. Depois a gente vê tudo."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.