Gerard Julien/AFP - 28/5/2016
Gerard Julien/AFP - 28/5/2016

Suprema Corte francesa acata recurso de Benzema e questiona processo de chantagem

Processo vai agora ao Tribunal de Paris, que se pronunciará sobre legalidade

Estadao Conteudo

11 de julho de 2017 | 21h14

A Suprema Corte da França aceitou nesta terça-feira um recurso de Karim Benzema, astro do Real Madrid, alegando que os promotores cometeram erros no processo em que o atacante francês é investigado por uma suposta chantagem sexual.

Benzema foi transformado em réu por supostamente ter chantageado seu então companheiro de seleção, Mathieu Valbuena, após o surgimento de um vídeo com conteúdo sexual. O jogador até confessou ter se envolvido no problema, mas de forma "inconsciente" e para ajudar.

Embora não tenha inocentado Benzema, a Suprema Corte cancelou a decisão do Tribunal de Justiça de Versailles de transformá-lo em réu e ordenou que os promotores utilizem um outro meio para provar a culpa do atacante. O processo vai agora ao Tribunal de Paris, que se pronunciará sobre a legalidade do processo.

"O caso ainda não acabou, mas a nova decisão da Corte deve logicamente mostrar que todo o processo foi injusto e derruba quase todo o caso, ao menos para Karim Benzema", comentou Patrice Spinosi, advogado do jogador.

A defesa do atacante alega que o processo estava viciado, especialmente depois da participação de um policial com uma falsa identidade, fazendo se passar por um enviado de Valbuena.

Segundo o Tribunal de Justiça de Versailles, os vínculos entre as partes teriam sido estabelecidos por seis conversas telefônicas interceptadas e gravadas pela polícia. A mesma quadrilha teria sido responsável por outro caso de chantagem, desta vez contra o ex-atacante da seleção francesa, Djibril Cissé, que em 2008 teria pago 100 mil euros (R$ 413 milhões) para se livrar da extorsão. Mas em outubro passado o próprio Cissé foi detido pela polícia para averiguações sobre o caso envolvendo Valbuena.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFrançaReal Madrid

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.