Martin Meissner/AP
Martin Meissner/AP

Suspeito de atentado contra o Dortmund admite ataque, mas nega intenção de matar

Sergej W. alega que os explosivos foram colocados de maneira que nenhum dano poderia ser causado a qualquer pessoa

Estadão Conteúdo

08 Janeiro 2018 | 17h02

O suspeito de provocar um atentado contra o ônibus do Borussia Dortmund no ano passado admitiu nesta segunda-feira ter sido o responsável pelos ataques. Ele, porém, negou durante o julgamento a intenção de matar ou ferir alguém.

+ Borussia Dortmund vence último amistoso antes da volta do Alemão

O incidente ocorreu em abril do ano passado. O Borussia Dortmund se encaminhava para o seu estádio, na cidade de Dortmund, onde enfrentaria o Monaco, pela Liga dos Campeões da Europa, quando o veículo foi atingido por um explosão.

Identificado como Sergej W., o suspeito de 28 anos alegou nesta segunda-feira que os explosivos foram colocados de maneira que nenhum dano poderia ser causado a qualquer pessoa, segundo informou a agência de notícias DPA.

Além de lamentar profundamente o ataque, ele reiterou que não teve o intuito de ferir ninguém. Sua ação teria sido motivada por ganância: dias antes do atentado, ele adquiriu opções ou direitos de venda de ações do clube alemão. Pretendia, assim, lucrar com a ação.

Entre outras denúncias, ele está respondendo a 28 acusações por tentativa de homicídio. A explosão deixou o zagueiro espanhol Marc Bartra e um policial feridos. O ex-jogador do Barcelona precisou, inclusive, de uma cirurgia na mão após a ocorrência do atentado.

Mais conteúdo sobre:
Borussia Dortmund

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.