Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Suspensão de Jailson reabre disputa entre Prass e Weverton no gol do Palmeiras

Goleiros disputam a camisa 1 no jogo diante do Novorizontino nesta quarta-feira

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2018 | 07h00

A suspensão de Jailson nos próximos jogos do Campeonato Paulista reabriu a disputa no gol do Palmeiras entre Fernando Prass e Wéverton. A definição deve ocorrer no treino desta terça-feira, na Academia de Futebol, sem a presença da imprensa. Teoricamente, Prass deve ser o substituto e atuar diante do Novorizontino, quarta-feira, no Allianz Parque.

+ Jailson é suspenso por três jogos e não joga na quarta-feira

Fernando Prass é o jogador do elenco que tem mais tempo de casa. Está no clube desde 2013, ganhou dois títulos (Copa do Brasil de 2015 e Campeonato Brasileiro de 2016), sem contar a Série B. É ídolo da torcida. Em 2017, teve uma temporada irregular, com altos e baixos. Além disso, foi submetido a duas cirurgias no cotovelo direito – uma delas fez com que perdesse justamente para Weverton a chance de ser o goleiro do título olímpico pela seleção brasileira nos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

Aos 30 anos, Weverton é considerado um goleiro jovem, mas experiente. Foi titular do Atlético-PR e teve passagens por Portuguesa, Botafogo (SP), América (RN), Oeste e Corinthians. Ele ainda não conseguiu conquistar totalmente a torcida do Palmeiras, diante da concorrência de Prass e Jailson.

Jailson iniciou a temporada como titular por questões "técnicas, táticas e desempenho na pré-temporada", na avaliação do técncio Roger Machado. Nesta segunda-feira, ele foi suspenso por três jogos no julgamento realizado no Tribunal de Justiça Desportiva pelos episódios no clássico diante do Corinthians. Ele já cumpriu uma partida de suspensão.

Jailson foi enquadrado no artigo 254 (praticar jogada violenta, com pena de de uma a seis partidas), que se refere ao lance do pênalti que ele cometeu em Renê Júnior. Por esse artigo, ele foi suspenso por dois jogos. O goleiro também foi julgado de acordo com o parágrafo 2º do artigo 258 (desrespeitar os membros da equipe de arbitragem, ou reclamar desrespeitosamente contra suas decisões, com pena de uma a seis partidas). Por essa infração, foi suspenso por mais um partida.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.