Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Thanassis Stavrakis/AP
Thanassis Stavrakis/AP

Suspenso do futebol, Platini ataca Fifa e CAS: 'Palhaços'

Ex-jogador da França foi presidente da Uefa, mas foi suspenso do futebol por oito anos

Estadão Conteúdo

29 de março de 2018 | 13h14

Afastado de qualquer atividade ligada ao futebol por suspensão imposta pela Fifa, e posteriormente chancelada pela Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês), Michel Platini atacou as duas instituições em entrevista concedida ao semanário francês Marianne. O ex-jogador e ex-presidente da Uefa chamou de "palhaços" os responsáveis por sua punição.

+ Suspenso do futebol, Platini recorre à Corte Europeia de Direitos Humanos

+ Fifa divulga lista de árbitros da Copa com brasileiro Sandro Meira Ricci

+ Fifa inicia investigação de racismo em jogo entre Rússia e França

Em 2015, Platini foi suspenso por oito anos pela Fifa em razão do recebimento de uma pagamento de 1,8 milhão de euros (R$ 7,3 milhões, na cotação atual) de Joseph Blatter por ter atuado como conselheiro do ex-presidente da entidade entre 1998 e 2002, embora a remuneração não tenha sido formalizada através de um contrato formal.

A pena imposta a Platini pela violação ao código de ética da Fifa foi reduzida para quatro anos pela CAS, mas o mantém impedido de exercer qualquer atividade no mundo do futebol. E diante desse cenário, ele recorreu ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos para restabelecer os seus direitos.

Até então, Platini vinha se mantendo em silêncio, mas agora atacou o que classificou como "juízes que não são de verdade". "Não posso aceitar a derrota quando não fiz nada. Me impediram de trabalhar durante quatro anos no futebol. Quem são esses palhaços para me impedir de trabalhar?", afirmou.

Na avaliação de Platini, o seu afastamento do futebol foi uma decisão política, adotada para impedir as suas pretensões de presidir a Fifa. E ele prometeu provar a sua inocência. "Foi uma conspiração para eu não ser presidente da Fifa. O caso está apenas começando e no final eu estarei certo", comentou.

Platini presidiu a Uefa entre 2007 e 2015 e precisou desistir da sua candidatura para suceder Blatter na Fifa. Seu secretário-geral na entidade europeia, Gianni Infantino acabou sendo eleito para comandar a Fifa em eleição realizada em 2016. O craque francês também criticou o poder exercido pelas redes de TV no futebol.

"Se hoje me pedissem que retorne ao mundo do futebol, me tornaria o presidente de um canal de TV, porque teria mais poder que o presidente da Uefa", afirmou. "As televisões decidem o dia da partida, a hora e agora também a arbitragem (se referindo ao árbitro de vídeo)", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.