Thanassis Stavrakis/AP
Thanassis Stavrakis/AP

Suspenso do futebol, Platini recorre à Corte Europeia de Direitos Humanos

Francês foi punido por ter recebido cerca de R$ 6 milhões diretamente de Joseph Blatter, ex-presidente da Fifa

Estadão Conteúdo

24 Janeiro 2018 | 16h10

Em mais uma tentativa de voltar ao futebol, o francês Michel Platini decidiu recorrer à Corte Europeia de Direitos Humanos (ECHR, na sigla em inglês). Suspenso da modalidade por irregularidades financeiras ligadas a um salário pago pela Fifa, o ex-jogador vem tentando provar sua inocência para voltar a atuar como dirigente.

+ Condenado por seis crimes, Marin pede novo julgamento

+ Fifa interroga Del Nero por cinco horas sobre propinas e acusações de sete crimes

Platini fora suspenso pelo Comitê de Ética da Fifa em outubro de 2015 por ter recebido cerca de 2 milhões de francos suíços (cerca de R$ 6 milhões) diretamente de Joseph Blatter, então presidente da entidade. O pagamento, feito sem contrato escrito, somente verbal, causou suspeitas e ambos acabaram sendo suspensos.

O francês foi punido inicialmente pela Fifa com oito anos. A pena foi diminuída para seis anos pelo Comitê de Apelação da entidade e, posteriormente, para quatro pela Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês), após recursos de Platini.

Apesar da redução de sua pena, o francês ressaltou que deseja provar sua inocência e que, por isso, recorreu à Corte Europeia de Direitos Humanos, em Estrasburgo, na França, no mês passado.

"Eu quero a justiça de volta. Não fiz nada de errado", explicou Platini à agência The Associated Press nesta quarta-feira. "Eu quero que minha integridade seja reconhecida. Com este pedido à Corte Europeia dos Direitos Humanos, estou contestando todas as sanções da Fifa e da CAS. Não vou desistir."

Platini diz ter sido vítima de uma conspiração organizada por Blatter, que, supostamente, queria tirá-lo do futebol. O caso tirou o francês da presidência da Uefa e da eleição presidencial da Fifa, justamente para substituir Blatter, em 2016, quando era considerado favorito.

"Eu me considero uma vítima, não apenas de uma injustiça, mas também de uma conspiração política da Fifa para me impedir de ser presidente da instituição. Eu fui uma ameaça às posições, aos interesses e aos privilégios de muita gente na Fifa", afirmou Platini.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.