Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians
Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians

Sylvinho destaca boa fase do Corinthians, mas evita projeções: 'Vamos jogo a jogo'

Segunda vitória consecutiva no Brasileirão faz equipe alvinegra entrar na briga por vaga na Libertadores

Redação, Estadão Conteúdo

22 de agosto de 2021 | 21h46

Após a segunda vitória seguida no Campeonato Brasileiro, algo inédito em seu início de trabalho no Corinthians, o técnico Sylvinho diminuiu a distância para os líderes do torneio. Com o triunfo sobre o Athletico-PR por 1 a 0, neste domingo, a equipe está em sexto lugar. Mesmo com o bom momento, o treinador evita projeções sobre as expectativas do time no torneio.

"Nós vamos jogo a jogo. O resultado importa e importa muito, nós queremos construí-lo. Não vamos a qualquer custo. Vamos em busca de construção e de desempenho. O resultado importa, mas precisamos de performance. Se não tiver performance, você acaba não ganhando. Feliz pelo vestiário, feliz pelo torcedor, mas vamos jogo a jogo", afirmou o treinador em entrevista coletiva na Arena da Baixada.

Nos 19 jogos como treinador do Corinthians, Sylvinho soma seis vitórias, sete empates e seis derrotas. Nesta edição da competição, o Corinthians está buscando fora de casa os pontos que desperdiçou em Itaquera. A vitória deste domingo foi a quarta como visitante.

Após as eliminações na Copa do Brasil e na Copa Sul-Americana, o Corinthians se concentra apenas no Brasileirão, com jogos uma vez por semana. Nesse contexto, o treinador reconhece que o desempenho evoluiu com mais tempo de treinamento. "Foi uma vitória importante, diante de um adversário difícil com uma grande atuação, principalmente no primeiro tempo. É o reflexo do tempo de treinamento. É um trabalho que está sendo construído", avalia.

A boa sequência deixou o treinador bem-humorado. Ele até comentou as dores que ele vem sentindo nos últimos dias e recordou os tempos de atleta. No final do jogo, o treinador deixou a Arena da Baixada mancando.

"Eu venho com problema na panturrilha desde quinta-feira, mas a experiência me fez me poupar durante dois dias, obviamente, uma brincadeira. Cheguei, tomei um analgésico, mas no final do jogo acredito que andei demais na área técnica e voltou a doer bastante. Enfim, a gente se entrega com os atletas, é bom, e o importante é o torcedor estar feliz em mais um fim de semana".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.