Tatyana Zenkovich/EPA/EFE
Tatyana Zenkovich/EPA/EFE

Tá russo! O que não falta são personagens irritadiços como o Canarinho Pistola

O cidadão russo médio com mais de 40 anos, por exemplo, é um pistola nato com sua seleção. Mesmo que ela tenha vencido as duas primeiras partidas

Marcio Dolzan, enviado especial / São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

24 Junho 2018 | 04h00

Um dos grandes momentos da Copa do Mundo de 2014 antecedeu a competição no Brasil e entrou para a história do nosso futebol. Após a CBF terminar uma ampla reforma das instalações da Granja Comary e inaugurar uma moderna sede na Barra da Tijuca, o então coordenador técnico da seleção, Carlos Alberto Parreira, deu uma declaração que se tornou célebre, talvez mais célebre até que as bem traçadas linhas da dona Lúcia (será que ela vai escrever de novo este ano?). Disse o Parreira: “A CBF é um exemplo para o Brasil. É o Brasil que deu certo, que dá certo”.

+ Tá russo! Russas esperam que casos de assédio joguem luz sobre um drama cotidiano

+ Tá russo! Moscou é uma cidade acolhedora para torcedores mirins

+ Tá russo! Não é fácil acertar o pedido, mesmo em cardápios com fotos

O que se sucederia na última semana daquela Copa do Mundo com a seleção, e nos quatro anos seguintes com alguns de seus cartolas, não ajudaram muito a confirmar a opinião do treinador tetracampeão do mundo, mas alguns ajustes naquela declaração hoje poderiam fazer um pouco mais de sentido. “O Canarinho Pistola é a CBF que deu certo” tem pouco espaço para contestação. O mascote é idolatrado por onde passa e amado nas redes sociais pelos inúmeros memes que origina sem muito esforço. Por isso acho que “o Canarinho Pistola é a CBF que deu certo” pode ser dito sem muito risco de ser derrubado pela História. Bom, pelo menos até ele se envolver em alguma confusão. Pode acontecer, inclusive em restaurantes russos.

Todo esse preâmbulo é para dizer que esta Copa do Mundo é rica em personagens pistolas - ou seja, irritadiços - fora dos gramados. Ela vai muito além do nosso Canarinho.

O cidadão russo médio com mais de 40 anos, por exemplo, é um pistola nato com sua seleção. Mesmo que ela tenha vencido as duas primeiras partidas da Copa do Mundo demonstrando bom futebol, marcando oito gols e sofrendo apenas um, ele não tem a menor perspectiva com a equipe. Alguns até torcem contra.

 

Em São Petersburgo, perguntei a um taxista o que ele achava da seleção russa e a resposta foi atravessada. “Prefiro a seleção de hóquei”, ele me disse. Indaguei, então, se ele não gostava de futebol, mas o taxista me garantiu que gostava sim, e que inclusive adora ver a seleção brasileira em campo (ele não deve ter assistido Brasil x Suíça). Eu quis saber então onde estava o problema com a seleção da Rússia.

A resposta: “Ela compra jogadores. No dia que ela for uma seleção russa de verdade, volto a torcer”. Por “compra jogadores”, entenda “usa jogadores naturalizados ou jogadores russos que atuam fora do país”. O lateral direito Mario Fernandes é brasileiro e tem cidadania russa. O goleiro Gabulov atua no futebol belga, enquanto o meia Cheryshev disputa a Liga Espanhola. E o russo médio com mais de 40 anos é um cara bastante nacionalista.

Outro personagem pistola foi o mediador da entrevista coletiva com o Thiago Silva e com o Tite, dada na quinta-feira que antecedeu a partida com a Costa Rica.

Aconteceu que um repórter emendou duas perguntas ao técnico Tite. O treinador respondeu uma delas e esqueceu de responder a segunda. O repórter, já sem o microfone, refez a indagação. Ao que o mediador apontou o dedo para ele e lhe lançou um olhar mais fulminante que o contragolpe do Real Madrid: “Isso aqui é entrevista coletiva, não conversa”. E chamou pelo próximo.

Não satisfeito, o mediador orientou a todos que perguntassem primeiro para o zagueiro, porque ele iria treinar dali a alguns instantes. Pedido atendido, três repórteres fizeram perguntas ao Thiago. Ao final da terceira, o rapaz não fez cerimônia. Olhou para aquele que seria o capitão do Brasil no dia seguinte e largou um “agora pode ir embora”.

E o Thiago Silva foi mesmo. Afinal, o mediador alertara que não queria saber de conversa.

*MARCIO DOLZAN É REPÓRTER DO ‘ESTADÃO’

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.