Fernando Llano/AP Photo
Fernando Llano/AP Photo

Tabárez exalta campanha da seleção uruguaia no torneio

Técnico elogia postura de sua equipe, apesar do quarto lugar na Copa das Confederações

PAULO FAVERO, Agência Estado

30 de junho de 2013 | 18h46

SALVADOR - O técnico Oscar Tabárez enalteceu a campanha de sua equipe e disse que tanto Uruguai quanto Itália, que disputaram o terceiro lugar da Copa das Confederações, poderiam estar brigando pelo título neste domingo, e não fazendo a preliminar da decisão entre Brasil e Espanha. Os uruguaios, no entanto, acabaram perdendo para os italianos nos pênaltis, após empate de 2 a 2 no tempo normal e da prorrogação sem gols em Salvador.

"Fiquei muito satisfeito com o esforço que todos fizeram. Acredito que foi um jogo digno dessa competição, as duas equipes poderiam ter chegado à final. Nos pênaltis, a Itália foi melhor e temos de parabenizar. Queríamos o terceiro lugar e ficamos tristes por não conseguirmos", contou Tabárez, após o jogo na Arena Fonte Nova.

O treinador do Uruguai revelou que conversou com os atletas antes da partida deste domingo para mostrar que eles não tinham de se basear nas notícias sobre cansaço do adversário. "Eu disse para eles: ''É a Itália do outro lado, precisamos ter atenção''. Acho graça quando dizem que um time poderia estar mal por ter jogado 30 minutos a mais ou porque o outro descansou um dia a mais. Nós também sofremos contra o Brasil (na semifinal). Se a Itália estava cansada, conseguiu controlar isso muito bem, principalmente no primeiro tempo", afirmou Tabárez.

Agora, o treinador volta suas fichas para a disputa das Eliminatórias Sul-Americanas da Copa de 2014, quando o Uruguai vai visitar o Peru, em setembro, e precisa de um resultado positivo para continuar sonhando com a classificação para o Mundial no Brasil. Para Tabárez, a Copa das Confederações mostrou que o time reencontrou seu futebol. Assim, ele espera que os bons resultados voltem a aparecer para que o Uruguai deixe de sofrer e carimbe seu passaporte. "Tomara que não seja um adeus ao Brasil. Tomara muito. Queremos estar aqui no próximo ano", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.