Darko Vojinovic/AP
Darko Vojinovic/AP

Tabárez exalta dedicação do Uruguai e minimiza menor posse de bola

Técnico elogiou time e projetou jogo difícil contra a França nas quartas de final da Copa do Mundo da Rússia

Marcio Dolzan, enviado especial / Sochi, O Estado de S.Paulo

30 Junho 2018 | 20h17

A classificação do Uruguai para as quartas de final da Copa do Mundo foi conquistada na base da dedicação. Essa foi a avaliação do técnico Óscar Tabárez ao final da vitória sobre Portugal por 2 a 1, neste sábado, em Sochi. Ele afirmou que sua equipe só sofreu para avançar no Mundial por causa de um único erro de marcação no gol de Pepe, no início do segundo tempo.

+ Cavani decide, Uruguai bate Portugal e vai às quartas da Copa do Mundo

+ TEMPO REAL - Uruguai 2 x 1 Portugal

+ Resumo da Copa do Mundo 2018: Uruguai e França avançam; Ronaldo e Messi se despedem no 17º dia

"Hoje, a diferença foi a dedicação que todos os jogadores mostraram em campo. Foi difícil, o rival teve mais posse de bola e jogou no nosso campo. No segundo tempo, a partida estava controlada na nossa área, depois teve um erro. Se fizermos uma equipe com todas as coisas que são necessárias no futebol - intensidade, concentração, tática, técnica -, o erro é titular, sempre está jogando. Hoje, um erro custou o empate, mas por sorte encontramos espaço e a equipe seguiu forte mentalmente", ponderou o "maestro", como é conhecido.

Apesar disso, Tabárez minimizou a maior posse de bola da seleção de Portugal. "Depois da Copa da África do Sul, quando jogamos sete jogos, na maioria das outras partidas o adversário teve mais posse de bola. Acho que há um pressuposto errôneo, o de que a posse de bola leva a gols", considerou Tabárez. "Aprendi na Itália que não é assim. Na Itália a posse não é santificada como é em outros países."

Segundo o técnico, a qualidade de seus jogadores de defesa faz com que a maior posse de bola do adversário acabe sendo pouco importante. O jogo deste sábado, ao menos, comprovou isso. Mesmo que Portugal tenha passado a maior parte do tempo no campo ofensivo, as oportunidades de gols foram raras. O time só foi marcar em uma cobrança de escanteio.

 

Agora, o técnico já projeta o confronto diante da França, pelas quartas de final. "Creio que o mais forte são os atacantes Griezmann e Mbappé. Eles são excepcionais. Tratam de aproveitar as jogadas pelas diagonais, a forma que chegam na área. Será um rival muito difícil, porque a França, para ceder espaços, é difícil", avaliou.

Entre os uruguaios, a maior preocupação é com o atacante Edinson Cavani. O autor dos dois gols sobre Portugal saiu de campo lesionado. "Ele saiu com dores, mas não sei exatamente o que aconteceu. Sei que em cinco dias temos uma partida e não há muito tempo para recuperação", disse Tabárez. "Vamos analisar a situação. Por enquanto estamos só preocupados."

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.