Alberto Estevez/EFE
Alberto Estevez/EFE

Tabárez minimiza pouco brilho do Uruguai: 'Na Copa América de 2011 foi assim'

Técnico relembra trajetória de título conquistado pelos uruguaios há sete anos

Estadão Conteúdo

24 Junho 2018 | 12h10

O técnico Oscar Tabárez acha pouco importante o fato de o Uruguai não ter apresentado um futebol vistoso até o momento nesta Copa do Mundo. Para o treinador, que traçou um paralelo com o título da Copa América conquistado pela seleção uruguaia em 2011, o que interessa são os seis pontos ganhos e a classificação garantida para as oitavas de final do Mundial.

+ Fifa diz que não há 'evidências suficientes' de doping na Rússia

+ Löw evita pensar em confronto com o Brasil: 'Antes temos que vencer a Coreia'

+ Lewandowski e Falcao dão o tom no duelo entre Polônia e Colômbia

"Estamos conscientes de que as atuações coletivas que tivemos não correspondem ao que podemos fazer", afirmou o treinador em coletiva de imprensa concedida neste domingo, em Samara. "Estamos muito calmos porque tais situações têm acontecido conosco, como na Copa América de 2011. Empatamos jogos na primeira fase, não brilhamos muito, mas acreditávamos em cada um. Pegamos a Argentina na casa dela e passamos", relembrou o técnico uruguaio.

No torneio citado por Tabárez, o Uruguai empatou nas duas primeiras partidas da primeira fase, contra Peru e Chile, classificou-se graças a vitória por 1 a 0 sobre o México e eliminou a anfitriã Argentina nas oitavas de final, após empate por 1 a 1 no tempo normal e triunfo por 5 a 4 nos pênaltis. A partir daí, superou o Peru na semifinal, por 2 a 0, e foi campeão com um placar de 3 a 0 em cima do Paraguai.

Nesta segunda-feira, às 11 horas (de Brasília), em Samara, o Uruguai vai disputar a primeira posição do Grupo A com a Rússia, equipe elogiada por Tabárez. Os anfitriões podem empatar a partida porque também conquistaram seis pontos nas duas primeiras rodadas e têm cinco gols de saldo a mais do que os uruguaios.

 

"A seleção russa cresceu. Como sempre acontece no futebol, melhoraram quando encontraram dificuldades. Disputaram jogos pouco competitivos porque não estavam nas Eliminatórias, tiveram lesões graves antes do Mundial, receberam pouco apoio dos jornalistas russos e da torcida antes do torneio. Mas mostraram um jogo muito direto e contundente. Por mais que a classificação não esteja em jogo nessa partida, é um teste que vamos ter para tentarmos melhorar", analisou o técnico uruguaio.

Para o duelo, Tabárez deve fazer alterações na equipe e até no esquema de jogo, mas relativizou a importância dada às possíveis mudanças. Com dores musculares, o zagueiro María José Gímenez é o único desfalque certo e deve dar lugar ao defensor Sebastián Coates.

"Jogamos com linha de três ou quatro atrás, depende das circunstâncias e do oponente que enfrentamos. Do ponto de vista teórico, são esquemas exclusivamente posicionais. Os fatores de principais do futebol passam por coisas mais importantes, como a capacidade dos jogadores e da afinidade que existe entre eles. O sistema de jogo vai além de escalar três ou quatro na defesa, envolve muito mais", pregou o treinador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.