Robert Ghement/EFE
Robert Ghement/EFE

Tabárez nega fim de ciclo uruguaio: 'O grupo está vivo'

Treinador acredita que o time recuperou a confiança na Copa das Confederações

PAULO FAVERO - Enviado especial, Agência Estado

29 de junho de 2013 | 18h21

SALVADOR - A campanha na Copa das Confederações enche o técnico Óscar Tabárez de orgulho. Claro que ele esperava estar disputando a final da competição neste domingo e não o terceiro lugar, mas o comandante do Uruguai vibrou com o reencontro de sua equipe com o bom futebol. "Conquistamos de volta as coisas que eram desse grupo, como a intensidade da nossa defesa e o grande espírito de equipe. Muitos jogadores atuam fora do país, são estrelas, mas entre o grupo isso não se nota. Não ganhamos nada, mas rebatemos algumas definições categóricas de fim do ciclo. Esse grupo está vivo e tem vontade de fazer coisas", avisou o treinador neste sábado.

Depois de chegar às semifinais da Copa de 2010, na África do Sul, e vencer a Copa América no ano seguinte, o Uruguai começou bem as Eliminatórias Sul-Americanas, mas repentinamente teve uma grande queda de rendimento. "Nos surpreendeu muito o que aconteceu. Em setembro e outubro do ano passado começou o que continuou como um período de queda, com derrotas e goleadas. Isso é a realidade do futebol", explica o treinador, citando as derrotas de 4 a 0 para a Colômbia, 3 a 0 para a Argentina, 4 a 1 para a Bolívia e o empate por 1 a 1 com o Peru.

Os resultados negativos diminuíram as chances de classificação para o Mundial no Brasil e colocou o grupo em xeque. "Temos os detalhes que estudamos para tentar buscar as coisas. O primeiro jogo que perdemos, deixamos para trás uma invencibilidade de 18 partidas. Depois perdemos em La Paz, e nós não temos experiência de atuar em 100 metros de altitude, aí fizemos alguns amistosos, como contra a Polônia, a seleção até deu um sinal de recuperação, mas dos seis pontos tivemos apenas um", conta Tabárez.

A partir daí, o treinador passou a tentar entender a situação de maneira mais profunda e refletiu muito sobre o momento da seleção. "Vimos que as circunstâncias eram diferentes, tanto positivas como negativas, como um vento que nos empurra para frente e para trás. Mas sempre falamos de sair disso, com confiança de que poderíamos fazer. Contra a Venezuela, se não vencêssemos tudo iria embora, e essa satisfação de ganhar nos deu um grande ânimo para a disputa da Copa das Confederações", diz.

Ele acredita que a seleção uruguaia mostrou no torneio que voltou aos eixos e isso dá otimismo para o futuro. "Os quatro jogos que temos pelas Eliminatórias são muito complicados (Peru, Colômbia, Equador e Argentina), mas contra o Brasil na semifinal também era e lutamos até o fim. Não sabemos se vamos conseguir a classificação, pois isso não é questão apenas de desejo. Mas o que aprendemos por experiência própria é que, se tem uma pequena luz no fim do túnel, temos de continuar trabalhando para fazer com que essa luz aumente para chegarmos até lá. Isso foi reforçado aqui."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.