Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Táchira ainda preocupa o São Paulo

A ótima situação do São Paulo, que pode perder por dois gols de diferença para o Deportivo Táchira, na quarta-feira, e ainda assim continuar na Libertadores, não serve para deixar o técnico Cuca totalmente tranqüilo.Mais do que as qualidades técnicas do adversário, que apesar de ostentar uma série de oito partidas invictas na Libertadores mostrou pouco futebol na derrota por 3 a 0 na quarta-feira, Cuca teme o clima passional que envolve o confronto.O bom momento do futebol venezuelano - a seleção nacional tem nove pontos e está, junto com o Brasil, em terceiro lugar nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2006 - faz com que a torcida passe a acreditar em triunfos que até pouco tempo atrás não passavam de sonhos."Em Táchira, se faz o que o Táchira quer" e "Agora, tudo será resolvido no estádio em que os grandes caem", são títulos de matérias ufanistas do site do clube, que foi fundado em 1974, já ganhou cinco títulos nacionais e participa de sua décima Libertadores.Todos apostam que não será por falta de incentivo que o Táchira será derrotado. Os ingressos estão esgotados desde a quinta-feira e a diretoria do clube, em seu site oficial, anuncia que estão suspensas as entradas de favor. O estádio Pueblo Nuevo, com capacidade para 25 mil pessoas, estará lotado e esse é um dos motivos para os venezuelanos ainda sonharem com a vaga para as semifinais.O estádio é um dos orgulhos da cidade de San Cristóbal, a 750 quilômetros de Caracas. Foi construído em 1975 e inaugurado em 1976, com duas partidas entre o Deportivo Táchira e o Deportivo Cali, da Colômbia. O gramado tem 110 metros de comprimento por 80 metros de largura e é chamado de "templo sagrado do futebol" pelos venezuelanos.A partir de 1979, a seleção venezuelana deixou Caracas e passou a mandar a maioria de seus jogos no estádio Pueblo Nuevo. Um dos grande momentos para os venezuelanos foi o gol que o goleiro Rafael Dudamel, defendendo a seleção, marcou, de falta, contra a Argentina, pelas Eliminatórias de 98. Agora, os torcedores sonham com três gols que levem o jogo para a decisão por pênaltis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.