Tanabi admite 'loucura' por contratar atacante Cabañas, baleado em 2010

Jogador paraguaio ainda tem a bala alojada na cabeça e vai disputar a quarta divisão do Estadual

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 de março de 2014 | 20h17

SÃO PAULO - Irineu Alves Ferreira Filho viajou 5,6 mil quilômetros e passou cerca de 60h na estrada nos últimos dias. Cruzou a fronteira, rodou pelo Paraguai, recebeu pedido de propinas de policiais e gastou bastante dinheiro para concretizar uma loucura, como ele próprio assume. O presidente do Tanabi acertou neste domingo a contratação do atacante Salvador Cabañas, de 33 anos, que tenta retomar a carreira depois de levar um tiro na cabeça em janeiro de 2010.

"A vinda dele é uma incógnita. Não sabemos como vai render. Mas estou satisfeito em ajudar uma pessoa como ele. Da minha parte, já estou feliz só por ter propiciado essa oportunidade", disse o dirigente. Cabañas é o nono maior artilheiro da seleção paraguaia e em 2008 virou famoso no Brasil pelos gols marcados com a camisa do América, do México, nas eliminações de Flamengo e Santos na Libertadores

De abril a julho o time da quarta divisão paulista terá o paraguaio como a estrela de um elenco cujos salários dificilmente passam de um salário mínimo. O valor a ser pago a Cabañas é segredo, embora o cotidiano simples que lhe aguarda na cidade de 25 mil habitantes não será novidade para ele.

Desde que foi baleado em uma boate na Cidade do México, Cabañas voltou a morar na cidade natal, em Itauguá, a 35 km da capital, Assunción. O jogador diz ter perdido boa parte do dinheiro no divórcio e também no tratamento para se recuperar. Nos últimos meses, cansou-se de ser rejeitado por times e retomou a profissão da infância. Entrega os pães feitos na padaria do pai, Dionísio.

Essa situação entristeceu o presidente do Tanabi, que ao saber da história em uma reportagem na televisão, teve a ideia de contratar o atacante. Chamou um diretor do clube para o acompanhar em duas viagens até Itauguá: uma para fazer a proposta e outra para Cabãnas assinar contrato.

"Fomos sem conhecer nada. Chegamos na cidade, fomos ao estádio local e conhecemos um radialista, que nos apresentou à família do Cabañas. Eles moram em uma casa bem simples", contou Irineu. Em 2012 o atacante tentou retornar aos gramados, pelo 12 de Outubro, time de Itauguá, que disputava a terceira divisão na época.

Gols de Cabañas pelo América, do México, contra o Flamengo, na Libertadores 2008

O jogador disputou algumas partidas, mas não se firmou. Saiu e retornou ao clube até ser dispensado definitivamente em fevereiro por estar abaixo das condições físicas ideais no entender da comissão técnica. Cabãnas ainda tem a bala alojada na cabeça e mesmo durante o auge da carreira sofreu com os problemas de peso. "Temos fé nele. Ele treina todo dia, tem boa saúde e está em forma. Só precisa de uma oportunidade e vai realizar o sonho de jogar no Brasil", disse Irineu.

O reforço chega com tanto prestígio que será apresentado na Câmara Municipal, no dia 1º de abril.  A estrela do time vai morar em um hotel e para bancar o investimento, o presidente admite que vai precisar se empenhar bastante para buscar patrocinadores. "Já trouxemos no passado Viola e Túlio, mas a vinda do Cabañas chamou muito mais a atenção. Em Tanabi ele será tratado como alguém da nossa família", explicou. A estreia será no dia 6, em casa, contra o Olímpia, time de mesmo nome do clube mais vitorioso do futebol paraguaio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.