Tardelli: é o último perdão no São Paulo

A novidade de hoje no CT da Barra Funda foi a presença de Diego Tardelli. Depois de 59 dias afastado do elenco profissional por indisciplina, o atacante foi reintegrado pelo técnico Cuca. "Ninguém me disse que essa é minha última chance, mas eu tenho para mim que essa é a última oportunidade que tenho aqui no São Paulo", disse o jogador, que aproveitou o "período para reciclagem" para mudar o visual. Removeu as trancinhas que marcaram sua imagem. "Alguns jogadores falaram para eu cortar. Resolvi seguir as sugestões para mudar a imagem." Diego Tardelli completou 19 anos dia 10, na reta final de seu "castigo" em Barueri. Desde 20 de março, quando foi afastado pelo técnico Cuca - foi a um show do cantor Fábio Jr às vésperas do confronto com o São Caetano, pelas quartas-de-final do Campeonato Paulista - Diego Tardelli passou a treinar com as categorias de base do clube. "No começo, quando o Cuca disse que não trabalharia mais comigo, até pensei em sair do São Paulo, em procurar outro clube. Mas lá em Barueri, com o seu Cilinho (técnico das divisões de base), treinava em dois períodos, de manhã e à tarde. Às vezes até nos domingos. Foi uma lição par mim. Me arrependo das coisas erradas que fiz. Via todo mundo querendo me ajudar e agradeço a oportunidade que o Cuca está me dando." O primeiro contato com o grupo, segundo Tardelli, foi positivo. "Hoje mesmo, durante a preleção, pedi desculpas a todos. O grupo ficou chateado com tudo o que fiz; eu poderia estar com eles na Libertadores e no Brasileiro, mas tive de passar por essa reciclagem. Foi difícil para mim, mas agora estou pronto e à disposição para ajudar." Fazendo questão de demonstrar o quanto está consciente da chance que está tendo no clube, o atacante garantiu que terá novos hábitos para se enquadrar. "Ainda não sei onde vou ficar, mas se tiver de ser aqui no CT, fico sem problemas. Também já comprei três despertadores para não atrasar na hora de acordar." Marco Aurélio Cunha, supervisor de Futebol do São Paulo, garantiu que não é apenas o clube que vai se empenhar para que a ?nova fase? de Diego Tardelli não seja outra enganação. "Ele tem a vantagem de ser jovem, além de ser um bom jogador. Vou pessoalmente me esforçar para que tudo dê certo para ele e para o clube." O que o dirigente talvez não conheça é o apelido do jogador entre seus próprios companheiros de time. "Homem-bomba, porque pode explodir a qualquer momento", entregou, rindo, Luís Fabiano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.