Técnico da África do Sul é demitido após ofensas a dirigentes e ataque de fúria

Mashaba demonstrou irritação ao fim da partida entre África do Sul e Senegal

O Estado de S.Paulo

22 de dezembro de 2016 | 11h21

A Associação de Futebol da África do Sul (SAFA, na sigla em inglês) anunciou nesta quinta-feira a demissão do técnico Ephraim Mashaba, por decisão do seu comitê disciplinar. O órgão decidiu pela saída imediata do treinador devido a críticas públicas aos dirigentes da entidade e a um ataque de fúria que acabou sendo transmitido ao vivo pela televisão.

Mashaba demonstrou irritação ao fim da partida entre África do Sul e Senegal, no dia 12 de novembro, em rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. Apesar da vitória por 2 a 1, resultado fundamental para as aspirações do time sul-africano na competição, ele foi flagrado pelas câmeras fazendo críticas públicas e reclamando de ataques da imprensa. Segundo a mídia local, teria também ofendido dirigentes da SAFA.

Um dos vídeos mostra o treinador sendo acalmado por um repórter e por um dirigente da SAFA pouco antes de se dirigir a entrevista coletiva pós-jogo. Claramente irritado, ele gritava e apontava o dedo contra os jornalistas. "Isso aqui é a minha segunda vida. Essas pessoas já me enterraram, você sabe disso", afirmara, referindo-se às críticas que vinha recebendo da imprensa. A causa maior da irritação, segundo o próprio técnico, seria a falta de apoio dos dirigentes da SAFA ao seu trabalho.

Inicialmente, Mashaba recebeu suspensão de um mês por parte da diretoria da SAFA. O caso acabou sendo avaliado pelo comitê disciplinar da entidade, que chegou a conclusão de que o treinador é culpado em três denúncias: conduta profissional inadequada, insubordinação e violação da política de comunicação da entidade. Como consequência, ele foi demitido.

"É lamentável que tenhamos que encarar os eventos do mês passado justamente num momento em que a seleção está experimentando uma recuperação em sua busca pela vaga nas Eliminatórias", declarou Dennis Mumble, diretor executivo da SAFA.

No Grupo D das Eliminatórias da África, o time sul-africano ocupa o segundo lugar, com os mesmos quatro pontos do líder Burkina Faso. Somente o primeiro colocado da chave garante a vaga na Copa de 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.