Patrik Stollarz/AFP
Patrik Stollarz/AFP

Técnico da Arábia Saudita qualifica derrota como 'vergonhosa' na estreia da Copa

Argentino Juan Antonio Pizzi viu sua seleção perder por 5 a 0 para a Rússia

Glauco de Pierri, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

14 Junho 2018 | 16h10

O treinador argentino Juan Antonio Pizzi classificou a atuação da Arábia Saudita como "vergonhosa" em sua rápida entrevista coletiva na sala de imprensa do estádio Luzhnik, em Moscou. Sua equipe foi dominada do começo ao fim e saiu de campo com uma impiedosa derrota por 5 a 0. Depois do jogo desta quinta-feira, o técnico, que é naturalizado espanhol e que foi o treinador do Chile durante as Eliminatórias Sul-Americanas para o Mundial, não procurou desculpas para a péssima atuação de sua equipe.

+ Autor de 2 gols na estreia, Cheryshev evita cobrar titularidade na Rússia

+ Parabenizado por Putin, técnico da Rússia contém euforia após goleada em estreia

"Foi uma partida muito ruim. Não conseguimos competir no nível que nós queríamos. A equipe rival, sem fazer grande coisa em campo, nos venceu de forma contundente. Para jogar uma Copa do Mundo precisamos nos adaptar a todas as situações, essa é a única forma", disse o treinador. "Temos que nos levantar, tiramos de dentro da gente essa sensação de vergonha que todos estamos vivendo."

Pizzi foi questionado sobre sua continuidade no cargo - na Copa do Mundo da França, em 1998, o brasileiro Carlos Alberto Parreira foi mandado embora da Arábia Saudita no meio do torneio, após duas derrotas: 1 a 0 para a Dinamarca e 4 a 0 para a seleção da França. "Ótima pergunta, sobretudo para o meu estado de ânimo neste momento. Tenho minha filosofia de trabalho e me preocupo em fazer o melhor possível. Mas, se existe uma decisão que não está em minhas mãos, essa é uma delas", enfatizou.

 

"Eu reconheço que não conseguimos fazer nem sequer algo próximo do que pretendíamos fazer. Nos treinamentos, tínhamos visto muitas coisas em que havíamos melhorado", finalizou o treinador, campeão da Copa América de 2016 no comando do Chile.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.