Técnico da Argentina espera ansiosamente por jogo com Brasil

O técnico da seleção argentina,Alfio Basile, disse nesta quinta-feira que está ansioso parajogar contra o Brasil, mas afirmou que deve antes pensar noconfronto com o Equador, que, na sua opinião, é o país de maiordesenvolvimento no futebol sul-americano. A Argentina está se preparando para jogar duas partidasamistosas nos Estados Unidos antes dos compromissos contra oEquador e o Brasil pelas eliminatórias da Copa do Mundo de2010. No dia 4 de junho, a seleção argentina jogará com o México,no Qualcomm Stadium, em San Diego, e quatro dias depois encaraos Estados Unidos no Giants Stadium, em Nova Jersey. No dia 15 de junho, os argentinos enfrentam o Equador emBuenos Aires, pelas eliminatórias sul-americanas, e no dia 18visitam o Brasil, em Belo Horizonte. "Jogar com o Brasil sempre é o clássico de tantos anos deimportância, ainda mais vindo de derrota", disse Basile emcoletiva de imprensa. "Sempre queremos ganhar esta partida, estamos esperando comansiedade e tranquilidade, por que primeiro temos que jogar como Equador", acrescentou. Basile não pôde se conter quando lhe perguntaram como vaijogar contra o Brasil e deixou claro a dor causada pela derrotana final da Copa América da Venezuela, em 2007. "O importante é que não marquem um gol nos primeiros dezminutos. Na Copa América eles nos surpreenderam, se defenderammuito bem, e não nos deixaram espaços", disse Basile. O técnico destacou que o sistema de jogo utilizado pelaArgentina é conhecido há muito anos no mundo todo, por isso elevai começar a mudar. Basile disse que fará testes nos amistosospara aplicar nas eliminatórias. "Obviamente vou mudar alguma coisa para não usar o mesmosistema daquele dia (da final) para tentar supreendê-los, epara que eles não me surpreendam", disse Basile. "Embora eles tenham me surpreendido porque jogaram de umamaneira na qual o Brasil não joga historicamente. Jogaram nocontra-ataque, os 90 minutos, coisa rara com o Brasil, masganharam bem, não digo nada", destacou. O técnico declarou que mudar o sistema não significarenunciar ao ataque. "Vamos ver como nos saímos. O Brasil não vai jogar da mesmamaneira por que o público irá levá-lo a jogar mais parafrente", declarou Basile.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.