David Gray / Reuters
David Gray / Reuters

Técnico da Austrália pede mesma atitude da estreia e faz mistério sobre Cahill

Bert van Marwijk se preocupa com jogo físico dos dinamarqueses, próximo adversário

Estadão Conteúdo

20 Junho 2018 | 11h14

Apesar da derrota na estreia para a França, o técnico da seleção australiana, Bert van Marwijk, gostou da postura da sua equipe em campo e pediu, em entrevista coletiva nesta quarta-feira, a mesma disposição no duelo contra a Dinamarca, que acontece quinta-feira, às 9h (de Brasília), em Samara, pela segunda rodada do Grupo C da Copa do Mundo.

+ Austrália usa mensagens de torcedores como incentivo para enfrentar a Dinamarca

+ Após 'atuação fantástica', jogador revela cumprimento de Thiago Silva à Austrália

No primeiro jogo da Copa, a Austrália perdeu por 2 a 1 para a França em duelo bastante equilibrado. "Quando a gente vê essa partida, dá confiança para o resto do torneio", comentou o treinador.

O treinador sabe que enfrentará um adversário complicado, que não perde há 16 jogos. "Eles são muito fortes. Estão em 12º lugar no ranking da Fifa e isso diz muito. Eles são fisicamente fortes, são altos e essa é a principal arma deles", afirmou.

Contra os franceses, Van Marwijk não colocou em campo o veterano Tim Cahill, de 38 anos, principal artilheiro da história australiana com 50 gols em 106 jogos. Questionado sobre possibilidade de mexer no setor ofensivo e colocar em campo o mais velho jogador da equipe, o treinador despistou. "Sempre há uma chance de jogar e isso vale para todos do elenco", disse. "Não vou falar sobre as mudanças que podem ou não serem feitas na equipe", completou.

 
Cahill vive a expectativa de entrar em campo em sua quarta Copa do Mundo. E, claro, tem a esperança de balançar as redes também e entrar para o seleto grupo de jogadores que marcaram gols em quatro edições diferentes em Mundiais. Na Rússia, Cristiano Ronaldo passou a fazer parte desse grupo, que conta também com Pelé, além dos alemães Miroslav Klose e Uwe Seeler.
 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.