Martin Divisek/EFE
Martin Divisek/EFE

Técnico da Bélgica evita projetar eventual duelo com o Brasil nas quartas

Belgas podem enfrentar a seleção brasileira se eliminarem o Japão nas oitavas de final

Estadão Conteúdo

28 Junho 2018 | 18h50

A Bélgica venceu mais uma nesta quinta-feira e garantiu o 100% de aproveitamento na Copa do Mundo. Ao mesmo tempo, assegurou a posição no lado considerado mais difícil da chave do mata-mata, em que há também a seleção brasileira, eventual adversário dos belgas nas quartas de final. O técnico Roberto Martínez, no entanto, não quer projetar o possível confronto com os brasileiros.

+ Bélgica vence Inglaterra, continua 100% na Copa e encara Japão nas oitavas

+ Mais forte, lado da chave do Brasil soma 10 títulos mundiais e tem 4 campeões

"Não acredito que se possa ter sucesso em um Mundial tentando buscar um caminho fácil, vimos isso na Eurocopa [de 2016]", disse o treinador, que poderia ter entrado no lado mais tranquilo da chave se tivesse empatado nesta quinta. O 0 a 0 deixaria os ingleses em primeiro lugar no grupo pelo critério de cartões amarelos.

Ao ficar na primeira posição da chave, a Bélgica garantiu o duelo com o Japão nas oitavas de final, na próxima terça-feira. "Temos que nos concentrar agora no Japão. A Inglaterra jogará com a Colômbia. E, se pensarmos mais além, acredito que estaríamos arriscando muito."

Para um duelo entre Brasil e Bélgica nas quartas, o time do técnico Tite precisará vencer o México, na segunda-feira, pelas oitavas de final. E os belgas terão que superar o Japão. Brasileiros e europeus são os favoritos nestes duelos.

 

Em relação ao desempenho do seu time, Martínez fez elogios ao seu elenco - a Bélgica jogou com time praticamente reserva nesta quinta. "A vitória foi consequência de uma performance muito boa", disse o treinador, que evitou se empolgar com o aproveitamento de 100% do seu time até agora na Copa.

"Não dá para estabelecer um cenário ideal [para os próximos jogos]. Nós já vimos grandes seleções serem eliminadas. Temos que olhar para nós mesmos, temos um grupo forte. Vamos enfrentar o Japão e temos que estar prontos para isso", declarou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.