Pedro Ugarte/AFP
Pedro Ugarte/AFP

Técnico da Bolívia cobra melhoria do ataque do time: 'É preciso chutar a gol'

Eduardo Villegas pede para equipe ser mais ofensiva após sofrer derrota para o Brasil

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

15 de junho de 2019 | 09h00

O técnico da Bolívia, Eduardo Villegas, está preocupado com os dois próximos jogos do time na Copa América, contra respectivamente Peru e Venezuela. Depois de perder na partida de abertura para o Brasil por 3 a 0, o treinador afirmou que ficou muito insatisfeito e vai procurar arrumar o ataque da equipe, setor inofensivo no jogo do estádio do Morumbi na noite desta sexta-feira.

A Bolívia só obrigou o goleiro Alisson a fazer defesas no segundo tempo. A maior ênfase da equipe foi em defender, proposta cumprida com sucesso até o fim do primeiro tempo, pois o placar terminou 0 a 0 na etapa inicial. "Se uma seleção como a gente que se classificar para a fase seguinte, tem que chegar ao gol adversário, tem de chutar. Mas o Brasil foi muito competente na marcação e não nos deixou chegar", comentou Villegas.

O treinador considerou que o momento decisivo da partida foi o pênalti marcado por toque de mão com o auxílio do árbitro de vídeo. Villegas não criticou a decisão do árbitro argentino Nestor Pitana em assinalar a irregularidade e lamentou o impacto emocional da Bolívia após ficar atrás no placar. O técnico definiu que a equipe "desmoronou" depois de Coutinho fazer 1 a 0.

Para os próximos jogos, Villegas disse ter bastante trabalho não só com o ataque, como também com o ânimo do elenco. "Vamos ter de trabalhar a parte emocional dos ateltas. Vamos procurar incentivar e levantar a equipe. O elenco tem bons jogadores e opções variadas. Estamos bem servidos de repertório para esta Copa América", comentou.

O próximo compromisso da Bolívia será na terça-feira, no Rio de Janeiro. A equipe entra em campo no Maracanã, às 18h30, contra o Peru. Depois, na última rodada, o compromisso será em Belo Horizonte, diante da Venezuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.